topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 07 - Edição 46 - Junho e Julho de 2013
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  ARTIGO logo Embrapa
  imagem da notícia  
Evolução do Milho Bt no Brasil: potenciais problemas e superação

O milho Bt atualmente comercializado no Brasil pode expressar em seus tecidos eventos com uma, duas ou até três proteínas obtidas da bactéria Bacillus thuringiensis, e tem como pragas-alvo as espécies de lepidópteros, que causam prejuízos a essa cultura. O principal papel do milho Bt no manejo de pragas é reduzir os danos causados pelas lagartas, consequentemente essa tecnologia trouxe consigo outras características, como a redução da dependência de inseticidas químicos, o que fortalece a biodiversidade, aumentando o controle biológico natural e oferecendo maior oportunidade para o controle biológico artificial. Além disso, são inegáveis os benefícios como a otimização das tarefas de tratos culturais. Entretanto, a utilização do milho Bt demanda práticas como o uso da área de refúgio e o cumprimento das normas de coexistência com as cultivares convencionais, que começam a fazer parte das estratégias dos empreendimentos agrícolas.

Entre as espécies-praga que ocorrem na cultura do milho, é conhecida a eficiência do Bt no controle da lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus), da lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda), da broca-do-colmo (Diatraea saccharalis), da lagarta-da-espiga (Helicoverpa zea) e da lagarta-rosca (Agrotis ipsilon). Por outro lado, têm sido notificados, no Brasil, casos de ineficiência de proteínas usadas no milho contra alguns lepidópteros-praga de ocorrência esporádica, como a lagarta-do-trigo (Mythimna sequax), e pouco se sabe sobre a atividade do Bt no controle do curuquerê-dos-capinzais (Mocis latipes) e da Helicoverpa armigera, recém-detectada no país. Entretanto, a praga que os produtores de milho consideram chave na cultura é a lagarta-do-cartucho-do-milho (LCM), pois além de sua ocorrência todos os anos atacando o milho, o sorgo e o milheto em toda a zona tropical das Américas, é uma espécie de difícil controle.

Para o manejo da lagarta-do-cartucho, o produtor tem encontrado dificuldades, sobretudo quando comparada a outras espécies em milho. Essas dificuldades decorrem de fatos ligados à própria complexidade de aplicar os conceitos do MIP, como a definição dos níveis de ação, a bioecologia do inseto, o grande efeito ambiental sobre o potencial produtivo da cultura e a flutuação do valor da produção. Sabe-se que a redução da produção é proporcional ao potencial de produção, representando um percentual que varia em função do estádio de desenvolvimento vegetativo em que a planta sofre infestação variando de 17% nos primeiros estádios a 34% nos últimos.

Antes do uso do milho Bt, os levantamentos de campo indicavam que em média o produtor que usa tecnologia utilizava na sua lavoura três aplicações de inseticida para o controle da LCM. Na região oeste do Paraná, por exemplo, os monitoramentos de pragas nas lavouras de milho revelaram que grande parte dos produtores, mais de 90%, adotava métodos de controle para essa praga, no entanto menos de 20% obtiveram eficiência. Além disso, duas outras espécies-praga do milho, a lagarta-da-espiga e a broco-do-colmo, não contavam com métodos eficientes de controle e o produtor convivia com seus danos e prejuízos. Por isso, quando o milho Bt foi lançado no mercado brasileiro em 2008, bastaram três anos para essa tecnologia dominar o mercado, tendo em vista sua eficácia.

Entretanto, cinco anos após a primeira utilização do milho Bt no Brasil, vários registros de quebra de funcionalidade, sobretudo para a lagarta-do-cartucho, têm sido detectados pelos produtores, mas, até o momento, nenhuma confirmação científica de resistência das pragas aos eventos Bt foi registrada.

A seleção de raças de insetos resistentes às proteínas Bt é sem dúvida a maior ameaça a essa tecnologia. Trabalhos recentes sobre esse risco têm mostrado a evolução da resistência em campo da lagarta-da-espiga do milho (Helicoverpa zea) e de larvas-de-diabrótica (Diabrotica v. virgifera) nos Estados Unidos da América; da lagarta-rosada (Pectinophora gossipiela) na Índia; da broca-do-colmo (Busseola fusca) na África e da lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) em Porto Rico. Por outro lado, desde 1997, para a primeira praga-alvo controlada pelo milho Bt nos EUA, a lagarta-europeia-do-milho (Ostrinia nubilalis), até hoje não se tem registro da sua resistência às proteínas Bt. Portanto, os problemas devem ser tratados caso a caso e o mais importante é levar a sério as estratégias para o manejo da resistência.

É importante salientar que os eventos Bt comportam-se de forma distinta para cada espécie de lepidópteros-praga. Ou seja, não se espera o mesmo nível de eficiência para todas as espécies de lagartas que ocorrem na cultura do milho. Também condições de estresse, como seca, podem alterar a expressão da proteína na planta.  Sabe-se, além disso, que a suscetibilidade natural de populações dessa praga à toxina Bt é variável. Dados preliminares de experimentos desenvolvidos na Embrapa Milho e Sorgo mostram que existe diferença na suscetibilidade de populações de Spodoptera frugiperda, coletadas em diferentes regiões produtoras de milho no país, às proteínas Bt expressas nos materiais comerciais disponíveis. Assim, são necessários dados do monitoramento da suscetibilidade de populações nas regiões que produzem milho no Brasil.

O monitoramento da eficácia dos eventos Bt utilizados nas lavouras deve servir como balizamento para a escolha dos eventos transgênicos a serem plantados na safra seguinte. Assim, o produtor deve conhecer todas as proteínas inseticidas expressas em cada evento e evitar o uso de eventos contendo a mesma proteína inseticida em toda sua lavoura, bem como o plantio daqueles híbridos expressando proteínas que apresentaram menor eficácia no controle das lagartas que ocorreram na sua lavoura na safra anterior. É o que podemos chamar de “rotação de genes” ou de proteínas inseticidas. Nesse item, destaca-se que os eventos disponíveis no Brasil, para as culturas da soja e algodão, podem expressar as mesmas proteínas inseticidas que aquelas presentes no milho (Tabela 1). Dessa forma, deve-se selecionar, quando possível, eventos para milho, soja e algodão evitando sobreposição de proteínas inseticidas, com o intuito de reduzir a pressão de seleção naquela área.

Para evitar a evolução da resistência de insetos nas lavouras plantadas com cultivares transgênicas resistentes às lagartas, é necessário utilizar as seguintes estratégias: a) expressão de alta dose da proteína Bt no híbrido transgênico (questão ligada às empresas detentoras dos eventos) e b) utilização da área de refúgio, que depende da decisão do produtor em fazê-la. Outras questões podem contribuir para retardar a evolução da resistência de insetos, como a presença de plantas hospedeiras das lagartas e de agentes de controle biológico na área do cultivo.

As empresas fornecedoras de sementes modificadas geneticamente têm feito um esforço no sentido de desenvolver tecnologias e novas proteínas e combinações além das já liberadas para comercialização. Um híbrido de milho expressando eventos com mais de uma proteína inseticida apresenta maior eficácia no controle das pragas-alvo, bem como atividades sobre outras espécies não controladas por algumas das proteínas Bt isoladas. Assim, têm sido obtidos efeitos de alta dose para algumas espécies não atingidas pelas proteínas individualmente. Esse é um fato importante para o manejo da resistência dos insetos aos eventos Bt. Por outro lado, há uma necessidade urgente de o produtor entender e incluir a área de refúgio colocada de forma correta na sua lavoura, pois apesar de bastante divulgada essa prática tem sido muito pouco adotada pelos produtores. Na sequência, os primeiros produtores a sofrerem com a quebra da resistência serão aqueles que não utilizam a área de refúgio e os próximos serão seus vizinhos, mesmo que estes utilizem o refúgio. Portanto, a questão do uso da área de refúgio é uma questão de convivência sustentável com o ambiente e com a comunidade de produtores de determinada região.

Em lavoura monitorada do Sul de Minas Gerais, observou-se que os danos causados pela LCM na área de refúgio reduziram significativamente a produção de grãos quando comparada à obtida na área de milho Bt, passando de 184 sacas/ha para 149 sacas/ha, mesmo fazendo-se uma aplicação de inseticida. No entanto, o produtor precisa ter uma visão sustentável de suas lavouras, pois mesmo com essa possível redução na produtividade, o plantio da área de refúgio irá manter a funcionalidade da tecnologia, que é de interesse de todos. Portanto, o uso responsável do milho Bt, seguindo rigorosamente todas as recomendações técnicas de manejo de pragas, é o único caminho seguro para a superação das limitações da tecnologia.

Num passo seguinte, estamos assistindo à busca, por parte dos produtores, da conciliação das estratégias de Manejo Integrado de Pragas (MIP) e à busca por soluções de maior sustentabilidade no campo que visam favorecer o aumento do equilíbrio natural do sistema, como o uso de agentes de controle biológico que são compatíveis com a utilização de plantas Bt e que são fundamentais para a manutenção do sistema em médio e longo prazo. A preocupação com o uso adequado das estratégias de manejo de resistência de insetos, como a área de refúgio, começa a tomar força. O uso adequado dos princípios de alta dose, área de refúgio, além da rotação de proteínas Bt em uma mesma área são conceitos que precisam ser mais bem compreendidos e adotados por todo o segmento que utiliza essa tecnologia. Deve-se compreender o papel do milho Bt como uma ferramenta dentro do Manejo Integrado de Pragas e não como uma única estratégia de controle de pragas a ser implementada nas lavouras.

Evidentemente, a demanda por conhecimento da ecologia das espécies-praga dentro do agroecossistema se torna cada vez mais crítica e os investimentos nessa área de pesquisa precisam ser cada vez mais enfatizados, pois viabilizarão a evolução do MIP numa única lavoura para um manejo regional das espécies-chave dentro do conceito de manejo de pragas em grandes áreas (Area-Wide Control).

 

Tabela 1 – Eventos expressando proteínas do Bt disponíveis no mercado brasileiro e suas respectivas proteínas inseticidas. Adaptado de http://www.ctnbio.gov.br/index.php/content/view/17811.html

 

Cultura

Eventos Bt

Nome comercial

Proteína inseticida

Milho

MON 810

Yeldgard ®

Cry1Ab

Bt11

TL ®

Cry1Ab

TC 1507

Herculex ®

Cry1F

MON 89034

PRo®

Cry1A.105/Cry2Ab2

MIR 162

Viptera- MIR162 ®

Vip3Aa20

Bt11 X MIR 162

TLViptera

Cry1Ab/VIP3Aa20

MON 89034 + TC1507

Power Core  ® PW

Cry1A.105/Cry2Ab2/Cry1F

TC 1507 x MON 810

Hx YG

Cry1Ab/Cry1F

TC 1507 x MON 810

Hx YG

Cry1Ab/Cry1F

Algodão

 

Boldgard  I

Cry1Ac

 

Widestrike

Cry1Ac Cry1F

 

Boldgard II

Cry2Ab2/Cry1Ac

 

Twinkink

Cry1Ab / Cry2Ae

Soja

MON 87701&MON89788

Intacta RR2 Pro

Cry1Ac

 

Autores: 
José M. Waquil – Pesquisador da área de Entomologia – RIT DA (Rede de Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária)
Simone M. Mendes – Pesquisadora da área de Entomologia – Embrapa Milho e Sorgo 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Guilherme Viana

Jornalistas responsáveis: Clenio Araujo (MG 6279 JP), Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP) e Marina Torres (MG 08577 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo, Isabel Regina Prazeres de Souza, Leonardo Melo Pereira da Rocha e Walfrido Machado Albernaz.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa