topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 07 - Edição 47 - Agosto de 2013
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  ARTIGO logo Embrapa
  imagem da notícia  
Plantas de milho RR “tiguera” e as culturas em sucessão

Nos sistemas de produção que utilizam a sucessão de soja e milho tolerantes ao glifosato é frequente o aparecimento de plantas da cultura antecessora na cultura subsequente. São as chamadas plantas tiguera.

O uso de milho transgênico tolerante ao glifosato – princípio ativo do herbicida Roundup Ready ou RR - tem crescido nos últimos anos, especialmente em áreas de produção com alto uso de tecnologias.

Apesar da intensa utilização de tecnologias e eficiente controle dos fatores de produção, ainda é comum a observação de altos índices de perdas na colheita. O que favorece o aparecimento de plantas tiguera na próxima lavoura. O desejável é que essas perdas sejam mínimas; entretanto atualmente no Brasil, as perdas de grão de milho por hectare estão próximas de 4%.

Nas áreas de produção de milho com alto uso de tecnologias é comum sistema de sucessão em que se cultiva soja no verão seguido de cultivo de milho na safrinha, ou vice-versa. Menos comumente, encontramos áreas de produção de milho verão recebendo sorgo ou milheto em condições de safrinha.

Tradicionalmente, a dessecação de manejo que antecede a semeadura direta destas áreas era suficiente para promover o controle da tiguera de milho voluntário. No entanto, após o surgimento da tiguera de milho RR, as opções tradicionais de dessecação (à base de glifosato) não são mais suficientes para o manejo destas plantas.

O cultivo repetido de culturas RR numa mesma área pode ocasionar a seleção de biotipos resistentes de plantas daninhas ao produto. Além da possível competição entre as plantas tiguera com a cultura sucessora, estas podem também servir de hospedeiras para insetos considerados praga e para microrganismos causadores de doenças no período de entressafra.

A frequência e a intensidade do aparecimento de plantas tiguera de milho em culturas sucessoras são influenciadas por fatores ligados às perdas de grãos na colheita e ao manejo de herbicidas adotado nos sistemas de produção.

As plantas de milho provenientes de perda na colheita podem ser geradas por grãos e espigas. Os grãos desprendidos das espigas, geralmente, germinam logo em seguida, enquanto os grãos das espigas podem vir a germinar mais tardiamente, deixando o problema mais para o meio ou fim da cultura sucessora, geralmente, a soja. É importante ressaltar que a tiguera de soja também é problema para a cultura do milho RR.

As perdas de grãos na colheita são influenciadas por fatores inerentes à cultura e à colhedora, podendo-se citar: mal preparo do solo quando plantio convencional; inadequação da época de semeadura; espaçamento e densidade de plantas; falhas na distribuição das sementes nas linhas de plantio; espaçamento diferente entre linhas quando da não utilização do marcador de plantio; cultivares inadequadas; ocorrência de plantas invasoras; atraso na colheita; umidade incorreta dos grãos; velocidade de deslocamento da colhedora; falta de treinamento dos operadores; regulagem inadequada; mal estado de conservação do maquinário.

As perdas descritas acima podem ser parcialmente evitadas tomando-se uma série de cuidados durante a colheita, tais como: monitoramento rigoroso das velocidades de trabalho da colhedora e aferição regular dos mecanismos de trilha, limpeza e separação. A regulagem de rotação do cilindro de trilha e a distância entre o cilindro e o côncavo são essenciais à qualidade do produto e para a redução das perdas que ocorrem na unidade de trilha. No momento da colheita, teores de umidade entre 13 e 18% são recomendados como os mais adequados para menores perdas.

A não observação e o controle dos fatores anteriormente levantados podem exigir medidas de controle onerosas das plantas tiguera, como a necessidade de utilização de herbicidas de diferentes princípios ativos, que além dos preços mais altos podem demandar condições especiais na aplicação, como os pré-emergentes.

Grande parte dos herbicidas utilizados na modalidade de pré-emergência apresenta eficácia maior quando aplicados em solos úmidos e, em algumas situações, quando bem preparados.

Em sistemas de rotação ou sucessão em que o milho RR aparece como planta voluntária na cultura da soja RR, a aplicação combinada do glifosato com graminicidas que atuam em pré (clomazone, sulfentrazone, diclosulam e flumetsulam) ou em pós-emergência (cletodim, sethoxydim, diclofop-methyl, fluazifop-p-butyl) podem ser solução eficaz. Ressalta-se que estes produtos aplicados na soja apresentam potencial de residuo para o milho em sucessão. Graminicidas com ação em pré-emergência associados com glifosato constituem uma opção de controle na dessecação de manejo antecedendo a semeadura direta, ao passo que misturas com graminicidas de pós-emergência podem ser opções importantes, após a instalação da cultura. Este manejo também vem sendo utilizado com sucesso em áreas onde há ocorrência de plantas daninhas resistentes ao glifosato. Mais recentemente, as empresas têm disponibilizado comercialmente misturas com outros principios ativos, o que não era muito usual.

Além de perdas por problemas na colheita, as plantas tiguera podem aparecer nos acostamentos das rodovias. Isto porque durante o transporte rodoviário da produção agrícola tem sido comum a ocorrência de perdas, que geralmente estão em torno de 10%, independentemente da cultura. A germinação das sementes nos acostamentos das rodovias, que normalmente ocorre no período de entressafra da cultura transportada, e sua manutenção permitem que essas sejam hospedeiras de pragas e doenças. Nestas circunstâncias, têm crescido as operações de controle dessas plantas nas rodovias de escoamento da produção.

Em sistemas de produção em que após a colheita de verão do milho ocorre o plantio de planta de cobertura, como milheto, a presença de plantas tiguera deve ser monitorada com maior rigor por causa da dificuldade de controle. Portanto, é importante monitoramento das áreas colhidas objetivando mensurar as perdas na colheita antes do plantio da cultura sucessora ou da planta de cobertura.

 

Imagens: Fernando S. Adegas - Embrapa Soja

Autores:

Maurílio Fernandes de Oliveira - Pesquisador da área de Sistemas de Produção da Embrapa Milho e Sorgo

Rubem Silvério de Oliveira Júnior - Professor da Universidade Estadual de Maringá

Décio Karam - Pesquisador da área de Manejo de Plantas Daninhas da Embrapa Milho e Sorgo

João Batista Guimarães Sobrinho - Assistente da Embrapa Milho e Sorgo

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
Antonio Alberto da Silva | 26/08/2013 - 13:50
Acredito que afirmativa no texto "Em sistemas de rotação ou sucessão em que o milho RR aparece como planta voluntária na cultura da soja RR, a aplicação combinada do glifosato com graminicidas que atuam em pré (s-metolachlor, clomazone, trifluralin)" não está totalmente correta. O herbicida s-metolaclhor é seletivo para cultura do milho; portanto acredito que a mistura desse herbicida com o glyphosate não será eficiente para o controle do milho RR infestante da soja.
Guilherme Ferreira Viana | 26/08/2013 - 13:58
Prezado leitor Antônio Alberto. boa tarde. Obrigado pelo contato. Seu comentário foi enviado a um dos autores do artigo. Tentaremos responder o mais breve possível. Estamos à disposição.
Sebastão Carneiro Guimarães | 26/08/2013 - 19:16
A informação que tenho é que produtores de milho se interessam pela tecnologia BT, mas não fazem questão da tecnologia RR. Alguns inclusive prefeririam não RR dado aos problemas para controle posterior nos casos de sua ocorrência como planta daninha. A dessecação é encarecida pela necessidade da inclusão de inibidores da ACCAse ao glyphosate, e o mesmo procedimento para uso dentro da cultura.
Clenio Araujo | 27/08/2013 - 07:42
Obrigado pelo comentário, Sebastião. Vou, também, repassar a um dos autores do artigo.

Atenciosamente

Clenio Araujo / jornalista da Embrapa Milho e Sorgo
Clenio Araujo | 28/08/2013 - 07:33
A seguir, resposta de um dos autores do artigo:

"A inclusão dos herbicidas s-metolachlor e trifluralina na lista de produtos pré-emergentes foi um erro. Alguns herbicidas de ação pré-emergentes podem ter a ação para o controle das plantas tigueras de milho; entretanto, estudos científicos necessitam ser realizados. Dentre os produtos com potencial de uso em adição ao glyphosate, poderiam ser citados os herbicidas diclosulam, sulfentrazone, clomazone, flumetsulam e imazaquin, ressaltando que estes produtos aplicados na soja apresentam potencial de resíduo para milho em sucessão, dependendo das condições de solo e clima.

Atenciosamente, Maurílio Fernandes de Oliveira"
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Guilherme Viana

Jornalistas responsáveis: Clenio Araujo (MG 6279 JP), Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP) e Marina Torres (MG 08577 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa