topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 10 - Edição 77 - Setembro de 2016
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  ARTIGO logo Embrapa
  imagem da notícia  
A buva (Conyza spp.) pode ser considerada planta hospedeira de Spodoptera frugiperda e Helicoverpa armigera?

Autores: Simone Martins Mendes e Alexandre Ferreira da Silva (pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo), Samantha S. de Sousa Carvalho (estagiária do curso de Biologia da Embrapa Milho e Sorgo) e Camila da Silva Fernandes Souza (engenheira agrônoma e bolsista da Embrapa Milho e Sorgo)

Fotos: Alexandre Ferreira da Silva (Embrapa Milho e Sorgo)

O sistema de produção de grãos no país, dependendo da região, da distribuição de chuvas e de irrigação, pode contemplar até três safras por ano. Em muitas regiões, o plantio da primeira safra inicia-se logo após as primeiras chuvas, que vão do final de setembro até dezembro. Assim, uma segunda safra é semeada desde o final de janeiro até março. Com o uso da irrigação, em muitas regiões, essas safras se sobrepõem, perpetuando plantas hospedeiras e plantas daninhas no campo. Esse perfil de precipitação ocorre principalmente nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e parte do Sul do país, sobretudo no norte do Paraná. Após a colheita da segunda safra, como o volume de chuvas é baixo ou nulo, a variedade de plantas hospedeiras no estágio vegetativo em campo é reduzida, e assim a buva configura-se como uma potencial planta hospedeira.

A buva (Conyza spp.)

A buva (Conyza spp.) é uma planta daninha que tem aparecido com grande frequência nas regiões produtoras de soja e milho do Brasil. Produz alta quantidade de sementes, adapta-se a sistemas de manejo, como o plantio direto, e possui casos comprovados de resistência ao herbicida glifosato e a inibidores da acetolactato sintase (ALS) (SANTOS et al., 2014). 

As sementes germinam durante o outono e o inverno, principalmente entre os meses de junho a setembro (CONSTANTIN et al., 2013), época em que as lavouras são deixadas em pousio, por causa das condições climáticas adversas. Por esse motivo, muitos produtores realizam o controle tardio desta espécie infestante. Esse fato poderá implicar vários prejuízos, como o uso de maiores doses de herbicidas; redução do número de opções de produtos registrados; e redução na eficiência de controle, o que poderá acarretar no aumento do banco de sementes no solo e em perdas no rendimento da cultura de verão, em razão da interferência da planta daninha. Dessa forma, o controle da buva no período da entressafra é de grande importância para o produtor.

Por apresentar alta capacidade de extração de água do solo e uso eficiente da água, a buva consegue se desenvolver mesmo em condições de déficit hídrico, característico desse período. Assim, a buva se torna uma espécie importante na flora que forma a “ponte verde” e como potencial planta hospedeira, nesse período, para a sobrevivência de pragas polífagas como Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) e Helicoverpa armigera (Hubner, 1805) (Lepidoptera: Noctuidae).

Spodoptera frugiperda e Helicoverpa armigera

Dentre as principais pragas da cultura do milho (Zea mays L.) no Brasil, S. frugiperda, conhecida popularmente como lagarta-do-cartucho, merece destaque por ser uma espécie polífaga, que pode ser encontrada se alimentando em mais de uma centena de plantas hospedeiras, como a soja [Glycine max (L.) Merr.], o tomate (Solanum lycopersicum L.) e o algodão (Gossypium hirsutum L.), causando prejuízos nas lavouras. É uma das espécies mais nocivas nas regiões tropicais das Américas, com ampla distribuição geográfica e incidência durante todo o ano, apresentando elevado potencial biótico em condições climáticas favoráveis (SARMENTO et al., 2002; BOREGAS et al., 2013). Além disso, tem apresentado populações resistentes a proteínas Bt expressas em milho (FARIAS et al., 2014), o que dificulta muito seu manejo em campo.

Em condições normais de desenvolvimento em milho, a lagarta-do-cartucho completa a fase larval em torno de 12 a 15 dias após a eclosão das larvas. Contudo, pode haver grande variação nesse período ao se alimentar de planta hospedeira considerada menos adequada para seu desenvolvimento, podendo, até mesmo, não passar para a fase adulta (DIAS et al., 2016). Outra grande preocupação com esse inseto é quando ocorre na fase inicial de desenvolvimento das lavouras de soja, causando sintoma comum ao provocado pela lagarta-rosca, que ataca as plântulas, reduzindo o estande da lavoura. Para causar esse tipo de dano nas plantas, no entanto, é preciso que as lagartas estejam em estádios mais avançados do desenvolvimento larval antes de se alimentar das plântulas. Assim, as lagartas começam a se desenvolver em uma das espécies de plantas consideradas hospedeiras presentes na área de cultivo e, ao serem semeadas as lavouras de soja ou milho, negligenciando a prática da dessecação antecipada, elas não morrem por falta de alimento e passam a se alimentar das plântulas recém-emergidas da cultura.

Assim como a lagarta-do-cartucho, H.armigera é uma das principais pragas polífagas das culturas agrícolas em todo mundo, relatada pela primeira vez no Brasil em 2013, por Czepak et al. (2013a) e Specht et al. (2013). Apresenta grande capacidade de dispersão e adaptação em diversas plantas hospedeiras, dentre elas algumas culturas de grande valor econômico, como algodão, soja, milho, tomate, entre outras. Essa espécie tem sido observada causando danos em botões florais, flores e maçãs do algodoeiro, bem como em frutos verdes e maduros do tomateiro. Alimenta-se dos grãos de milho em formação, além de plântulas e estruturas reprodutivas da soja (CZEPAK et al., 2013b). Em milho, essa espécie é capaz de completar a fase larval com 25 dias em média (SANTOS et al., 2016). Em outubro de 2013, foi registrada a coleta de H.armigera se alimentado de buva no Mato Grosso do Sul (BORGES, 2013), surgindo assim a possibilidade de essa espécie usar a buva como hospedeiro na entressafra, contribuindo para a “ponte verde”.

A polifagia permite que essas pragas tenham sempre hospedeiros disponíveis para sua alimentação, sobretudo em condições tropicais de cultivo, onde é possível realizar duas e até mesmo três safras consecutivas na mesma área, o que permite que elas se reproduzam e aumentem suas populações durante todo o ano (PANIZZI et al., 2012). Nesse sentido, é preciso compreender também o conceito de plantas hospedeiras.

São consideradas plantas hospedeiras apenas aquelas que propiciam o completo desenvolvimento do ciclo da espécie em questão. São consideradas como hospedeiros inadequados, ou somente hospedeiros intermediários, aquelas plantas que podem servir de sítio de alimentação ou oviposição, sem proporcionar o desenvolvimento completo dos insetos.

Alimentação de S. frugiperda e H. armigera em folhas de buva

Em razão da escassez de água nos meses de agosto e setembro, há baixa diversidade de plantas hospedeiras no estádio vegetativo de crescimento nos campos de produção de grãos. Assim, mariposas adultas podem colocar ovos nas plantas de buva, para que sua prole tenha alimento. Para ajudar a elucidar essa questão das plantas hospedeiras e fontes alimentares no período seco, foram estudados alguns aspectos biológicos de S.frugiperda e H.armigera se alimentando exclusivamente de folhas de buva. Nesse estudo, confinaram-se larvas neonatas de cada uma das espécies-praga, que foram mantidas se alimentando de folhas de buva e de milho convencional 30F35 (V6) no estádio vegetativo (antes do florescimento), as quais foram trocadas a cada 48 horas.

Os insetos foram mantidos em sala climatizada com temperatura de (26 ± 2 °C), umidade relativa de (50 ± 10%) e fotofase de 12 horas. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, sendo as médias discriminadas entre si pelo intervalo de confiança a 95% de probabilidade (equivalente ao Teste t).

Não foram verificados insetos sobreviventes em folhas de buva para ambas as espécies avaliadas. A lagarta-do-cartucho chegou a sobreviver por até 43 dias, sem conseguir, no entanto, passar para a fase de pupa e, portanto, morrendo na fase de lagarta. Quando se alimentaram de folhas de milho convencional, chegaram à fase adulta com alta sobrevivência, acima de 80%. Nesse caso, apesar da alimentação em folhas de buva ser o suficiente para manter essa espécie viva por mais de um mês, as lagartas não se desenvolveram e apresentaram pequena biomassa, sobretudo quando essa foi comparada à de plantas hospedeiras como o milho, em que as lagartas alcançam biomassa média de 420 mg aos 14 dias de desenvolvimento (DIAS et al., 2016).

Também para H.armigera a alimentação exclusiva em folhas de buva não foi adequada para a espécie completar o desenvolvimento. Nesse caso, os insetos sobreviveram até 33 dias na fase larval, alcançando biomassa média de 150 mg. Santos et al. (2016) mostraram que aos 14 dias as larvas de H.armigera têm biomassa média de aproximadamente 150 mg, quando mantidas se alimentando em espigas de minimilho. Esses dados corroboram com a hipótese de que, em folhas de buva, as larvas não atingem biomassa suficiente para passar à fase de pupa. Contudo, verificou-se a ocorrência de lagartas dessa espécie em buva, em outubro de 2013, no Mato Grosso do Sul e no Paraná, mostrando que na ausência de planta hospedeira essa planta pode servir como abrigo e fonte temporária de alimentação para as lagartas.

Além disso, verificou-se que apenas folhas de milho não são suficientes para alimentação de lagartas de H.armigera, e que as lagartas podem viver em folhas de milho até 35 dias sem alcançar a fase de pupa. Isso indica que, se houver postura dessa espécie em lavouras de milho na fase inicial do cultivo, o milho não servirá como ponte verde. Contudo, se houver posturas na fase final do estádio vegetativo da lavoura, o milho pode servir de ponte verde, uma vez que Santos et al. (2016) mostraram sobrevivência de H.armigera em milho no estádio de R1. Esses dados são importantes, pois contribuem para a tomada de decisão quanto ao manejo dessa espécie em lavouras de milho.

Implicações para o manejo

A implicação dos dados aqui apresentados para a adequação das práticas de manejo integrado de pragas no campo é, sobretudo, de reforçar a estratégia de dessecação antecipada (eliminação de toda massa verde), antes do plantio da soja ou milho na primeira safra. Mesmo não sendo a buva um hospedeiro adequado ao desenvolvimento dessas espécies de insetos, as lagartas podem sobreviver até 43 dias se alimentando de folhas dessa planta. Assim, é necessário retirar também essa fonte de alimentação, para que as lagartas morram de inanição e não causem problemas às lavouras subsequentes.

O controle da buva na pós-colheita da cultura de inverno ou na pré-semeadura da cultura de verão deve ser realizado através da aplicação de herbicidas, principalmente em plantas pequenas, com no máximo 15 cm. É importante ressaltar que o controle químico da buva deve ser feito obrigatoriamente antes da semeadura da soja. Praticamente nenhum herbicida tem se mostrado eficiente no controle das plantas de buva mais desenvolvidas. Principalmente os biótipos de buva resistente a EPSPs + ALS, na pós-emergência da cultura, causam competição e podem ocasionar perdas significativas na produtividade da soja, além de aumentarem a impureza e a umidade dos grãos na colheita, fatores que levam a um desconto maior quando da entrega dos grãos no beneficiamento.

Referências

BOREGAS, K. G. B.; MENDES, S. M.; WAQUIL, J. M.; FERNANDES, G. W.  Estádio de adaptação de Spodoptera frugiperda (JE Smith) (Lepidoptera: Noctuidae) em hospedeiros alternativos. Bragantia, Campinas, v. 72, n. 1, p. 61-70, 2013.

BORGES, S. Z. Helicoverpa armigera pode atacar até buva. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

CONSTANTIN, J.; OLIVEIRA JÚNIOR, R. S. de; OLIVEIRA NETO, A. M. de; BLAINSKI, E.; GUERRA, N. Manejo de buva na entressafra. In: CONSTANTIN, J.; OLIVEIRA JÚNIOR, R. S. de; OLIVEIRA NETO, A. M. de (Ed.). Buva: fundamentos e recomendações para manejo. Curitiba: Omnipax, 2013. p. 41-63. Disponível em: <http://omnipax.com.br/livros/2013/BFRM/bfrm-cap06.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

CZEPAK, C.; ALBERNAZ, K. C.; VIVAN, L. M.; GUIMARÃES, H. O.; CARVALHAIS, T. Primeiro registro de ocorrência de Helicoverpa armigera (Hübner) (Lepidoptera: Noctuidae) no Brasil. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 43, n. 1, p. 110-113, 2013a. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2013a.

CZEPAK, C.; VIVAN, L. M.; ALBERNAZ, K. C. Praga da vez. Cultivar Grandes Culturas, Pelotas, ano 15, n. 167, p. 20-27, abr. 2013b.

DIAS, A. S.; MARUCCI, R. C.; MENDES, S. M.; MOREIRA, S. G.; ARAÚJO, O. G.; SANTOS, C. A. dos; BARBOSA, T. A. Bioecology of Spodoptera frugiperda (Smith, 1757) in different cover crops. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 32, n. 2, p. 337-345, Mar./Apr. 2016.

FARIAS, J. R.; ANDOW, D. A.; HORIKOSHI, R. J.; SORGATTO, R. J.; FRESIA, P.; SANTOS, A. C.; OMOTO, C. Field-evolved resistance to Cry1F maize by Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) in Brazil. Crop Protection, Surrey, v. 64, p. 150-158, 2014.

FUNK, C.; PETERSON, P.; LANDSFELD, M.; PEDREROS, D.; VERDIN, J.; SHUKLA, S.; HUSAK, G.; ROWLAND, J.; HARRISON, L.; HOEL, A.; MICHAELSEN, J. The climate hazards infrared precipitation with stations: a new environmental record for monitoring extremes. Scientific Data, v. 2, 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2016.

PANIZZI, A. R.; BUENO, A. F.; SILVA, F. A. C. Insetos que atacam vagens e grãos. In: HOFFMANN-CAMPO, C. B.; CORRÊA-FERREIRA, B. S.; MOSCARDI, F. (Ed.). Soja: manejo integrado de insetos e outros artrópodes-praga. Brasília, DF: Embrapa, 2012. p. 335-420.

SANTOS, C. A. D.; MARUCCI, R. C.; BARBOSA, T. A. N.; ARAÚJO, O. G.; WAQUIL, J. M.; DIAS, A. S.; MENDES, S. M. Development of Helicoverpa spp. in Bt maize expressing different proteins. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 51, n. 5, p. 537-544, 2016.

SANTOS, G.; OLIVEIRA JÚNIOR, R. S.; CONSTANTIN, J.; FRANCISCHINI, A. C.; OSIPE, J. B. Multiple resistance of conyza sumatrensis to Chlorimuronethyl and to glyphosate. Planta Daninha, Rio de Janeiro, v. 32, n. 2, p. 409-416, 2014.

SARMENTO, R. A. de; AGUIAR, R. W de S.; SOUZA, R. D. A. S. de; VIEIRA, S. M. J.; OLIVEIRA, H. G. de; HOLTZ, A. M. Revisão da biologia, ocorrência, e controle de Spodoptera frugiperda (Lepdoptera, Noctuidae) em milho no Brasil. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 18, n. 2, p. 41-48, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2014.

SPECHT, A.; SOSA‑GÓMEZ, D. R.; PAULA‑MORAES, S. V. de; YANO, S. A. C. Identificação morfológica e molecular de Helicoverpa armigera (Lepidoptera: Noctuidae) e ampliação de seu registro de ocorrência no Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 48, n. 6, p. 689-692, 2013. Notas científicas.

 

 

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Cláudio Bezerra, Ivan Cruz e Arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa