topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 05 - Edição 32 - Outubro de 2011
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Embrapa entrega sementes de milho xavante em aldeia no Mato Grosso

Foram 1.758 quilômetros percorridos para que sementes de milho xavante chegassem à aldeia Maraiwtsede, no nordeste do Mato Grosso. O material faz parte do Banco Ativo de Germoplasma (BAG), mantido pela Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, Minas Gerais.

O BAG preserva amostras de quase quatro mil tipos de milho de diferentes regiões. Como parte dessa coleção, há seis variedades de milho xavante coletadas, no final da década de 1970, pelo então pesquisador da Embrapa Ronaldo Feldmann, em Barra do Garças-MT.

Em março deste ano, a pesquisadora Flavia França, curadora do BAG de milho, recebeu um pedido da Funai (Fundação Nacional do Índio) para disponibilizar as variedades de origem xavante para a aldeia Maraiwtsede, localizada entre os municípios mato-grossenses de Bom Jesus do Araguaia, Alto Boa Vista e São Félix do Araguaia. Então, foi feito um trabalho de multiplicação do milho. “Sempre temos que plantar para conseguir mais sementes e repor o que retiramos do BAG”, explica Flavia França.

As variedades de milho xavante têm  características próprias, grãos farináceos de cores variadas (branco, vermelho, amarelo, roxo, preto). Após a colheita do material multiplicado na Embrapa, as sementes de cada variedade foram embaladas separadamente.

Em outubro, aproxima-se a época do plantio na aldeia e tem início a viagem para ser feita a entrega das sementes. A equipe responsável  por levar o material viaja durante dois dias, de Sete Lagoas-MG (foto 1), até Ribeirão Cascalheira-MT, onde fica o escritório regional da Funai que atende a aldeia Maraiwtsede. Lá, a agrônoma Juliana Lengruber, que havia encaminhado o pedido do milho, feito inicialmente pelos índios, aguardava o grupo. No dia seguinte, seria feita a entrega.

Foram mais 130 quilômetros até Maraiwtsede. A aldeia tem cerca de 800 habitantes. Poucos falam português. Floriano, um dos responsáveis pela segurança local, e Cosme, filho do Cacique Damião, foram os tradutores encarregados de receber os visitantes. Eles ajudaram Juliana a reunir moradores para a entrega do milho. Chamaram as mulheres que fazem o trabalho na roça e os mais velhos, os anciãos da aldeia. Dois deles mostraram o que guardavam do milho xavante. Cada um tinha uma garrafa de dois litros com sementes. Era o que restava do nodzob, como chamam o milho.

A pesquisadora Flavia França mostrou o material a ser distribuído (foto 3). Ao todo, 50 quilos de sementes das seis variedades. Ela explicou a importância do cultivo para multiplicação e a necessidade de guardarem, a cada colheita, sementes para o próximo plantio, a fim de preservar o milho tradicional na aldeia (foto 2).

Os anciãos e as mulheres olhavam satisfeitos, identificando cada nodzob por sua cor (fotos 4 e 5). Dario, um dos mais velhos da aldeia, agradeceu, emocionado e falou que será muito importante ter o milho no próximo ano, quando será realizada a festa de perfuração de orelha dos jovens. Cosme explicou  que, na ocasião, fazem um grande bolo de nodzob. É quando os rapazes, após ficarem isolados do restante da aldeia por cerca de cinco anos, vivem o ritual que marca a passagem para a vida adulta.

Floriano mostrou o , a casa onde  ficam os adolescentes reclusos (foto 6) numa das extremidades da aldeia, que é construída no formato de ferradura. Os garotos têm contato apenas com os padrinhos e ficam agrupados por faixa de idade.

Em maio de 2012, quando ocorrer a festa chamada Danhono, os rapazes terão as orelhas furadas, passarão a ser considerados adultos e estarão prontos para se casar. Na festa, haverá o grande bolo de milho xavante para todos, conforme manda a tradição.

Para a pesquisadora Flavia França, ver a satisfação dos índios ao receber as sementes compensa todo o trabalho. “É muito bom ver a alegria deles e saber que podem usar o milho para preservar a própria cultura.”

Missão cumprida. A equipe da Embrapa Milho e Sorgo retorna para Sete Lagoas. Quando outra aldeia solicitar sementes que são guardadas no BAG, terá início uma nova jornada de trabalho para apoiar a preservação de culturas agrícolas e de tradições dos povos indígenas.


Texto: Marina Torres (MG 08577 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
www.cnpms.embrapa.br
Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO)
Tel.: (31) 3027-1272
E-mail: marina@cnpms.embrapa.br

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
Eraldo Lima | 24/10/2011 - 11:34
Muito bom trabalho, eu diria que socialmente um dos mais relevantes que vi nos últomos anos como Agrônomo e Professor Universitário. Parabéns a equipe da Embrapa.

Eraldo.
Clenio Araujo | 07/08/2012 - 14:39
Boa tarde, Eraldo

Agradecemos o comentário.

Atenciosamente

Clenio Araujo / jornalista da Embrapa Milho e Sorgo
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): José Heitor Vasconcellos

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP) e Marina Torres (MG 08577 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Fotos desta edição: Arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Maria José Vilaça de Vasconcelos (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa