topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 07 - Edição 46 - Junho e Julho de 2013
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Duplo-haploides reduzem tempo de geração de híbridos de milho

Grão em Grão: Em que consiste a técnica do duplo-haploide na cultura do milho?
Roberto Trindade: A técnica de produção de duplo-haploides consiste no cruzamento de genótipos de milho com linhagens chamadas de indutoras de haploidia, ou seja, linhagens que induzem a formação de sementes com metade dos cromossomos normalmente encontrados no milho, que seriam 20 cromossomos. Estas sementes surgem em uma determinada taxa na espiga, em torno de 10%. Depois de selecionadas, essas sementes serão pré-germinadas e passarão por um processo de duplicação destes cromossomos, por meio de aplicação de colchicina, um produto químico que impede a divisão celular, passando dos 10 cromossomos presentes nas células haploides para 20 cromossomos. Daí advém o nome de duplo-haploide, uma vez que se entende que esta planta é um indivíduo haploide que passou por um processo de duplicação de seus cromossomos, sendo totalmente homozigota para todos os seus genes, ou seja, apresenta alelos iguais para uma mesma característica. Após o processo de duplicação cromossômica, estas sementes pré-germinadas são cultivadas em bandejas, passam por um período de aclimatação em casa de vegetação e são transplantadas para o campo ainda em estádio de plântula.

Como benefícios principais, esperam-se menos tempo e dinheiro investidos na obtenção de novas cultivares. É isso mesmo? Explique, por favor.

O processo tradicional de obtenção de híbridos a partir de linhagens endogâmicas consiste na autofecundação de genótipos de milho por sete ou oito gerações para se atingir 99% de homozigoze. Ao final deste processo, essas linhagens são cruzadas entre si para obtenção de um híbrido. Este processo para obtenção de linhagens demora de três a quatro anos, demandando recursos e mão de obra para a realização destas atividades.

A metodologia de obtenção de linhagens duplo-haploides permite que o tempo para obtenção de linhagens seja reduzido de sete ou oito gerações para três gerações, ou seja, em um período variando de um ano a um ano e seis meses, é possível se obter uma linhagem 100% homozigota. Isto resulta em redução de tempo e recursos para a obtenção de linhagens e, consequentemente, de novas cultivares híbridas.

Por que essa técnica ainda não é (ou é pouco) utilizada nas instituições públicas de pesquisa e ensino, como universidades e a própria Embrapa?

A maior limitação para o uso desta metodologia em larga escala por instituições públicas era a adaptação dos indutores de haploidia em ambiente tropical. A maior parte dos indutores de haploidia em milho eram adaptados ao clima temperado e apresentavam desempenho muito limitado em condições tropicais.

Recentemente, o Cimmyt (Centro Internacional de Melhoramento de Milho e Trigo) concluiu um trabalho de adaptação de indutores de haploidia ao clima tropical, por meio do retrocruzamento dos indutores temperados de haploidia com genótipos adaptados às condições dos trópicos. Estes indutores foram adquiridos recentemente pela Embrapa Milho e Sorgo, o que nos permitirá a implantação desta tecnologia em nosso centro de pesquisa.

Existe, por ora, a intenção de inserir a técnica no programa de melhoramento genético de milho da Empresa. Isso será realizado de que maneira?
Nosso objetivo é iniciar um trabalho de teste e adaptação dos protocolos conhecidos para produção de duplo-haploides na Embrapa Milho e Sorgo. Juntamente com isto, haverá a implantação de uma infraestrutura de laboratório e campo que nos permita realizar a duplicação cromossômica para a obtenção de duplo-haploides em larga escala. As linhagens obtidas por meio da metodologia de duplo-haploides apresentam as mesmas características das linhagens obtidas pelo método tradicional e serão incorporadas diretamente ao programa de melhoramento de milho após avaliação de seu desempenho agronômico.

Quais os principais resultados práticos você espera deste seu trabalho com duplo haploide na Embrapa?
Os principais resultados esperados por nós são: reduzir o tempo para obtenção de linhagens no programa de melhoramento de milho, o que terá um efeito direto nos prazos para o lançamento de novas cultivares de milho pela Embrapa Milho e Sorgo; aumentar de forma quantitativa e qualitativa a obtenção de linhagens de alto valor genético na Empresa, favorecendo não apenas a nossa Unidade, mas também nossas instituições parceiras; e, sobretudo, beneficiar o agricultor brasileiro, que deve ser sempre o alvo principal em nosso trabalho.

 

Artigo - A RBMS (Revista Brasileira de Milho e Sorgo), publicação da ABMS (Associação Brasileira de Milho e Sorgo), publicou em 2011 o artigo "Duplo-haploides: estratégias para obtenção e importância no melhoramento genético do milho". Os autores são Patrícia Maria Oliveira Pierre, Lívia Maria Chamma Davide, Evellyn Giselly de Oliveira Couto, Tallyta Nayara Silva, Magno Antônio Patto Ramalho e João Bosco dos Santos. O artigo pode ser lido clicando-se aqui.

 

Texto: Clenio Araujo (MTb / MG 06279 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
www.cnpms.embrapa.br
NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)
Tel.: (31) 3027-1223
Cel.: (31) 9974-3282
E-mail: clenio.araujo@embrapa.br

 

 

 

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
Dea alecia Martins Netto | 03/07/2013 - 08:35
A entrevista foi muito esclarecedora sobre o assunto.
Clenio Araujo | 03/07/2013 - 08:54
Obrigado pelo retorno, Dea.
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Guilherme Viana

Jornalistas responsáveis: Clenio Araujo (MG 6279 JP), Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP) e Marina Torres (MG 08577 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo, Isabel Regina Prazeres de Souza, Leonardo Melo Pereira da Rocha e Walfrido Machado Albernaz.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa