topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 09 - Edição 62 - Junho de 2015
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Tecnologias permitem reduzir uso de agrotóxicos

Como reduzir a utilização de agroquímicos e garantir uma produção agrícola mais sustentável? O último seminário da Semana de Integração Tecnológica (SIT) buscou responder essa questão. Foram apresentados os principais problemas fitossanitários da agricultura brasileira e também soluções desenvolvidas pela pesquisa, como a utilização de vírus, bactérias e de insetos benéficos para o controle de pragas nas lavouras.

A consultora Regina Lúcia Sugayama falou sobre as ameaças fitossanitárias, ressaltando que as pragas surgem em resposta às práticas agronômicas. "A gente oferece condições para que determinada espécie se torne uma praga. Ambiente favorável, disponibilidade de recursos, além de características de adaptação da própria espécie, favorecem o estabelecimento de pragas nas lavouras."

Conforme a consultora explica, os riscos de prejuízos aumentam por causa do leque reduzido de ferramentas para Manejo Integrado de Pragas (MIP) e manejo de resistência. "A lentidão para registro de novos produtos químicos e biológicos dificulta o controle de pragas. Ao mesmo tempo, há um maior trânsito de pessoas e mercadorias, abertura de novas fronteiras agrícolas e mudanças na paisagem rural, fatores que facilitam a introdução e disseminação de novas pragas."

Nesse contexto, Sugayama sugere como estratégia a vigilância para evitar a entrada de novas pragas no país, com controle de trânsito e análise de risco em materiais vegetais.

O pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas, MG) Fernando Valicente falou sobre a importância do uso de agentes de controle biológico no MIP. Ele explicou que os agentes patógenos, que podem ser vírus, fungos ou bactérias, causam doenças nos insetos-praga.

Dessa forma, para produzir um biopesticida, utiliza-se um isolado específico para atacar a praga. Ao se fazer a seleção do patógeno, considera-se que ele deve apresentar alta virulência ao alvo, não pode causar danos a outras formas de vida e nem ter resíduo tóxico.

Assim, são desenvolvidos produtos biológicos à base de bactérias, como Bt (Bacillus thuringiensis), ou vírus, como o baculovírus. Os bioinseticidas combatem as pragas sem contaminar o meio ambiente ou provocar riscos à saúde dos trabalhadores rurais. Além disso, preservam os insetos benéficos nas lavouras.

A importância dos insetos benéficos foi demonstrada pelo pesquisador da Embrapa Ivan Cruz, que apresentou o controle de lagartas com o uso de vespinhas Trichogramma. Esses insetos têm aproximadamente meio milímetro e parasitam ovos de pragas, como a lagarta-do-cartucho e a Helicoverpa armigera. "As vespinhas têm a vantagem de evitar o aparecimento das lagartas, pois parasitam o ovo da praga", explicou. Ivan ressaltou que o Trichogramma está registrado junto ao Ministério da Agricultura para uso em milho, soja e tomate.

Biofábricas têm sido montadas para produção de Trichogramma, como no Rio Grande do Sul, onde um convênio entre a Emater-RS e a Embrapa possibilitou a instalação de uma unidade para criação de vespinhas. Alencar Paulo Rugeri, da Emater-RS, relatou a experiência, explicando que a cooperação técnica entre as duas instituições teve início em 2013, quando o pesquisador Ivan Cruz capacitou cerca de 200 técnicos da extensão rural em Manejo Integrado de Pragas.

A partir da capacitação, os extensionistas acompanharam cerca de 9 mil hectares de lavouras no Rio Grande do Sul, verificando a ocorrência de pragas. Em 6 mil hectares, não foi necessária nenhuma medida de controle. Em 3 mil hectares, recomendou-se o uso de Trichogramma como agente de controle biológico de lagartas.

A fim de disponibilizar Trichogramma de maneira ágil no Rio Grande do Sul, decidiu-se instalar uma biofábrica no estado. Para isso, técnicos da Emater-RS estiveram na Embrapa Milho e Sorgo, a fim de aprender as técnicas de produção das vespinhas. O projeto de edificação da biofábrica foi desenvolvido pelos profissionais da Embrapa e repassado à Emater-RS para a construção.

Em agosto de 2014, a biofábrica foi inaugurada, com o objetivo de difundir e fomentar o controle biológico, diminuindo o uso de inseticidas nas lavouras gaúchas. Como estratégia de fomento da tecnologia, a Emater-RS faz a distribuição gratuita de Trichogramma para os produtores do estado, que pagam apenas o transporte do material.

 

Texto: Marina Torres (MG 08577 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
Tel.: (31) 3027-1272
E-mail: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisora do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Mônica Castro

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa