topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 10 - Edição 73 - Maio e Junho de 2016
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Projeto Barraginhas realiza atividades em Jequitibá

O projeto "Disseminação das Tecnologias Sociais Lago de Múltiplo Uso e Barraginhas" iniciou suas atividades em Jequitibá-MG, no segundo semestre de 2015. Os trabalhos são liderados pelo engenheiro agrônomo Luciano Cordoval de Barros, especialista em manejo da irrigação da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG).

Em seis comunidades rurais de Jequitibá, já foram construídas 170 barraginhas para captação de água de chuva e 45 microlagos de múltiplo uso, que foram populados com alevinos. Além disso, foram distribuídos 25 kits irriga-hortas e instaladas 30 miniestufas para produção de mudas e 22 fossas sépticas biodigestoras, em substituição a fossas negras. Todas essas tecnologias compõem um pacote tecnológico, ou de tecnologias sociais voltadas para a conservação de água e solo de propriedades rurais. A Embrapa Instrumentação (São Carlos-SP) é parceira na implantação das fossas sépticas.

Antes de chegar a Jequitibá, o projeto vinha avançando nas cidades vizinhas há seis anos. Essas tecnologias foram disseminadas e ajustadas em Araçaí, Caetanópolis, Cordisburgo, Paraopeba, Santana do Pirapama e Sete Lagoas. As experiências, aplicadas nestes municípios, foram aprimoradas e instaladas com muito sucesso em Jequitibá, em razão da cultura de agricultura familiar, que é muito forte no município, e do apoio recebido dos líderes comunitários e do poder público local.

Luciano ressalta que a agricultura de Jequitibá, mesmo sendo familiar, é toda irrigada. "É um município especial pela sua tradição cultural de horticultura, consolidada nos últimos 40 anos, onde predomina a agricultura familiar. Quase 100% da produção é comercializada na Ceasa-Minas", diz o agrônomo.

Segundo Luciano, com a crise hídrica, os agricultores migraram, gradativamente, de sistemas de irrigação tradicionais, gastadores de água, para o sistema de gotejamento. "Hoje 90% deles irrigam com gotejamento, economizando 70% de água em relação a sistemas de aspersão convencional. São agricultores familiares, porém não são pequenininhos. Na soma, eles ocupam uma área extensa. São mais de 200 produtores que plantam de 1 a 2 ha cada. E enviam de meio a um caminhão semanal ao Ceasa, no auge da produção. As culturas são variadas, como tomate, quiabo, milho-verde, abóbora e outras", afirma.

Para os agricultores de Jequitibá, a colheita da água da chuva é essencial para recarregar os lençóis freáticos e criar sustentabilidade para a atividade irrigada. "Iniciativas como essa visam buscar soluções para a convivência com a limitação hídrica", ressalta Cordoval.

Projeto Barraginhas

O projeto "Disseminação das Tecnologias Sociais Lago de Múltiplo Uso e Barraginhas" foi iniciado em 2007 e está em sua terceira edição. Conta com a coordenação técnica da Embrapa Milho e Sorgo, a gestão da Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento (Faped) e o patrocínio da Petrobras. São parceiros as prefeituras, empresas de extensão rural, ONGs, os sindicatos de trabalhadores rurais e patronais, igrejas, instituições de ensino e outras Unidades da Embrapa.

O projeto realiza ações de treinamento e implantação de barraginhas, lagos de múltiplo uso, fossas sépticas biodigestoras, kits irriga-horta e miniestufas, em comunidades com predominância de agricultores familiares. Em 2015, foram consolidadas 25 parcerias com ações concretas em andamento nos estados de Minas Gerais, Maranhão e Bahia.

Texto: Sandra Brito (MG 06230 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
Tel.: (31) 3027-1223(31) 3027-1223
E-mail: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Embrapa Milho e Sorgo

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisora do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Mônica Castro

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Luciano Cordoval; arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa