topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 10 - Edição 80 - Dezembro de 2016
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
É preciso monitorar a lagarta-do-cartucho

O produtor precisa ficar atento ao ataque de pragas na lavoura!  A lagarta-do-cartucho do milho é a principal praga presente nas lavouras nesse momento em que o milho da primeira safra está na fase vegetativa. "Para não comprometer a produtividade é preciso monitorar, para a correta tomada de decisão", orienta a pesquisadora da Embrapa Milho e Sorgo, Simone Martins Mendes.

Atualmente, o milho transgênico com atividade inseticida, ou simplesmente milho Bt, está plantado em 5,3 milhões de hectares do país. Isso representa cerca de 82% das áreas de milho primeira safra, segundo levantamento realizado pela Céleres.

"Contudo, o uso dessa tecnologia em grande parte das lavouras não retira do produtor a tarefa de manter o monitoramento de pragas, sobretudo em função da quebra de resistência ou redução da eficiência do milho Bt sobre a lagarta-do-cartucho, o que já é realidade nas principais regiões produtoras de milho do país. Neste cenário, é fundamental manter a vigilância e o monitoramento nas lavouras", afirma Simone Mendes.

Segundo a pesquisadora, a presença desta praga pode atingir níveis que demandem medidas adicionais de controle. Isto pode ser feito por meio do controle biológico, com a liberação de insetos benéficos na lavoura, também conhecidos como inimigos naturais, a exemplo da vespinha Trichogramma, ou com o uso de bioinseticidas. Ou mesmo com o controle químico, com a aplicação de inseticidas. Essa medida de controle deve ser utilizada quando a ocorrência da praga atingir um nível em que cause prejuízos e que não seja mais viável o uso do controle biológico. Isso pode ser verificado a partir do monitoramento.

Basicamente, duas formas de monitoramento têm sido preconizadas: a primeira é o uso de armadilhas de feromônio, e a segunda, o monitoramento em campo. "No primeiro caso, a armadilha contém um dispositivo que exala o "cheiro" da mariposa fêmea da lagarta-do-cartucho para atrair o macho. Nesse caso, é preciso verificar as armadilhas com frequência, e, quando for observada a captura de três mariposas, é o sinal de que o nível crítico de infestação foi atingido. Aí o produtor precisa levar em consideração quais são as medidas de manejo a serem adotadas. Uma armadilha pode monitorar em torno de cinco hectares", explica a pesquisadora .

Por sua vez, o monitoramento presencial no campo tem como foco as injúrias (folhas raspadas ou danificadas) causadas pela lagarta-do-cartucho nas plantas do milho. Nesse caso, ele precisa dividir as lavouras em talhões e adotar uma estratégia para o monitoramento. "É preciso ficar atento ao nível máximo de 20% de plantas com injúrias para que se decida pelo uso do controle químico", orienta Mendes.

A partir deste momento, as plantas ficam maiores e se tornam menos vulneráveis à infestação da praga. "Além disso, quando a lagarta fica muito grande, é difícil atingi-la com qualquer medida de controle. Vale ressaltar que os danos causados pela lagarta-do-cartucho na planta podem levar a uma redução de aproximadamente 40% de produtividade", diz Simone Mendes.

Para saber mais sobre o manejo de resistência de insetos em lavoura de milho Bt clique aqui para ler uma publicação da Embrapa.

Texto: Sandra Brito (MG 06230 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas - MG)
Telefone: (31) 3027-1223
milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Ivênio Rubens de Oliveira e arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Mônica Aparecida Nazareno (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa