topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 11 - Edição 86 - Junho de 2017
   Ano 11 - Edição 88 - Agosto de 2017 
   Ano 11 - Edição 87 - Julho de 2017 
   Ano 11 - Edição 85 - Maio de 2017 
   Ano 11 - Edição 84 - Abril de 2017 
   Ano 11 - Edição 83 - Março de 2017 
   Ano 11 - Edição 82 - Fevereiro/Março de 2017 
   Ano 11 - Edição 81 - Janeiro de 2017 
   Ano 10 - Edição 80 - Dezembro de 2016 
   Ano 10 - Edição 79 - Novembro de 2016 
   Ano 10 - Edição 78 - Outubro de 2016 
   Ano 10 - Edição 77 - Setembro de 2016 
   Ano 10 - Edição 76 - Agosto de 2016 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Sistemas agropecuários integrados favorecem o aumento da produtividade

O Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) é uma forma viável para a recuperação de pastagens e tem como premissa o planejamento das atividades. O sistema permite a rotação das atividades de agricultura, pecuária e floresta, dentro da propriedade rural, de forma harmônica e favorece o aumento da eficiência e da renda na propriedade.

O pesquisador Miguel Marques Gontijo Neto, da Embrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas, MG, explica que os principais problemas na pecuária são a degradação de pastagens, a falta de alimentos durante o ano, nos períodos da seca, e a diminuição da produtividade por animal e por área. "E a maior causa da degradação é a ausência da adubação de manutenção e o superpastejo", afirma.

Gontijo ressalta que a grande ferramenta para a integração dos sistemas agrícola e pecuário é o cultivo consorciado de lavouras anuais com capins. "A consorciação de culturas anuais como o milho, o sorgo (forrageiro, granífero ou pastejo) ou o milheto com capins são alternativas viáveis para a produção de grãos e forragens tanto em áreas com solo apresentando boa fertilidade como em áreas de pastagens degradadas. Isto proporciona mais forragem para a entressafra, mais forragem das pastagem recuperadas e a produção de palhada para o plantio direto no ciclo seguinte de implantação da lavoura", afirma.

"Os resultados obtidos em propriedades rurais demonstram que a integração lavoura e pecuária é uma alternativa viável economicamente para intensificação da produção, sendo o planejamento fundamental para se evitar um novo ciclo de degradação das pastagens", orienta o pesquisador da Embrapa.

Braquiária em sistemas integrados

A implantação dos sistemas integrados com a Integração Lavoura-Pecuária permite a utilização de recursos naturais, garantindo a sustentabilidade dos sistemas produtivos. O pesquisador Emerson Borghi, da Embrapa Milho e Sorgo, considera que esta é uma questão de grande relevância, porém pouco compreendida em Minas Gerais.

Borghi ressalta que as espécies forrageiras tropicais se adaptam as mais diferentes condições de clima e solo da região central do Brasil. "Em Minas Gerais, a maior parte das pastagens, principalmente as degradadas se baseiam nos gêneros braquiária e panicum. Compreender as estratégias de manejo dessas espécies para fornecimento de forragens nos períodos de outono e primavera e, após o seu uso, proporcionar cobertura morta para o sistema de plantio direto, é relevante e permite benefícios mútuos", afirma.

O pesquisador Robélio Leandro Marchão, da Embrapa Cerrados, explica que quando se fala em braquiárias em sistemas integrados fala-se também em um bom manejo do solo e da qualidade do solo. "O nosso foco, quando a gente pensa em Integração Lavoura-Pecuária, além da questão da viabilidade e de toda e da parte econômica, e o que a gente quer, no final das contas, é recuperar a qualidade do solo, que muitas vezes está comprometida, seja no sistema de pasto convencional ou em uma área de agricultura onde há problemas de sustentabilidade", diz.

Para o pesquisador é preciso considerar os elementos fundamentais para o manejo sustentável do solo tanto para a agricultura quanto para a pecuária e ter como base o conhecimento científico. "Os pilares do manejo sustentável do solo são a correção da acidez superficial, com calagem e  gessagem; a qualidade do solo, pois temos que pensar na sustentabilidade em longo prazo; a rotação de culturas e as práticas conservacionistas; e as adubações. Isso tudo tem que ser observado, para que tenhamos uma agricultura produtiva no Estado", explica Marchão.

Ele ressalta que é neste caminho que a Integração trás uma série de benefícios. "Quando a gente fala em atributos de solo, temos que observar que eles são dependentes um do outro. Por isso, para que o manejo de solo seja sustentável, temos que considerar todos os aspectos", afirma.

"Já quando analisamos o papel das braquiárias nos sistemas integrados podemos afirmar que a sustentabilidade do manejo dos solos tropicais está associada com o papel radicular dessas gramíneas. O solo dos cerrados são muito pobres e precisam das espécies forrageiras para manter a qualidade e tornar esses solos cada vez mais produtivos", diz.

Segundo Marchão, os sistemas produtivos integrados buscam promover a intensificação sustentável da agricultura e da pecuária, com o objetivo de aumentar a produtividade, ou seja, aumentar a produção dos componentes sem necessariamente haver uma expansão de área plantada e o aumento dos custos ambientais.

"A intensificação sustentável atende um dos grandes desafios da produção agrícola e busca a segurança alimentar, não só do ponto de vista da quantidade, mas também de qualidade. É uma busca constante para a melhoria do manejo do solo", diz.

Além dessas premissas, a intensificação sustentável busca aumentar a produção nas áreas agrícolas existentes de maneira que proporcione menor pressão ao meio ambiente e não elimine a capacidade de continuar produzindo alimentos no futuro.

 

Sandra Brito (MG 06230 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1223

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Alexandre Abdão, Tales Amaral, Embrapa e arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa