topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 11 - Edição 91 - Novembro de 2017
   Ano 14 - Edição 119 - Agosto/Setembro de 2020 
   Ano 14 - Edição 118 - Junho/Julho de 2020 
   Ano 14 - Edição 117 - Abril/Maio de 2020 
   Ano 14 - Edição 116 - Fevereiro/Março de 2020 
   Ano 14 - Edição 115 - Janeiro/Fevereiro de 2020 
   Ano 13 - Edição 114 - Dezembro de 2019 
   Ano 13 - Edição 113 - Novembro de 2019 
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Sorgo silageiro: ainda dá tempo de plantar

Dos 628.500 hectares plantados com sorgo na safra 2016/2017, 309.114 hectares foram semeados com o sorgo forrageiro, destinado à produção de silagem. Os dados, da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e da APPS (Associação Paulista dos Produtores de Sementes e Mudas), revelam uma crescente evolução da área plantada com o sorgo silageiro desde a década de 1990. “É uma cultura que vem aos poucos ganhando espaço em razão das instabilidades climáticas dos últimos seis anos nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Nordeste”, analisa Dimas Cardoso, supervisor de desenvolvimento de produtos para silagem da empresa Riber KWS, licenciada da Embrapa para comercialização da cultivar de sorgo forrageiro BRS 658.

Esse sorgo foi lançado na última safra, quando foram disponibilizadas cerca de 40 toneladas de sementes. A empresa ampliou a oferta este ano para 240 toneladas, que serão suficientes para o plantio de aproximadamente 24 mil hectares. “Todo esse volume está disponibilizado no mercado, em cerca de 200 revendas parceiras distribuídas em 123 cidades e em oito estados brasileiros”, diz José Benevides Romano, gerente comercial da Riber KWS. “Até o momento, os principais volumes comercializados foram feitos para as regiões Sul e Sudeste e para os estados de Goiás e Bahia”, comenta. A região Sudeste é a principal produtora de sorgo silageiro, com 107.606 hectares semeados na última safra, seguida das regiões Sul (99.459 hectares) e Centro-Oeste (com 81.436 hectares).

A cultura do sorgo é mais tolerante a condições de estresse hídrico que outros cereais, como o milho, por exemplo. “Aliada a essa característica, o cultivo vem crescendo em condições de safrinha em sucessão ao milho e à soja e, principalmente, com o problema crescente dos ataques da cigarrinha na cultura do milho. O sorgo tem um apelo muito forte por apresentar um custo de produção inferior e ter bons rendimentos, além da possibilidade de ser usado no sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP), na recuperação de pastagens degradadas”, afirma Dimas Cardoso. Segundo ele, uma das grandes dificuldades é ainda o plantio correto, o que demanda treinamento para produtores e prestadores de serviço, como também disponibilidade de discos adequados da semeadora.

Para o especialista em silagem é necessário desvincular a cultura do sorgo da característica de rusticidade. “Não existe alta produtividade sem extração ou exportação de nutrientes. O sorgo é rústico em relação à seca, mas mostra um nível de extração semelhante à cultura do milho. Quando se combina alta população de plantas e adubação insuficiente, ocorrem as principais reclamações: alto índice de acamamento, esgotamento da fertilidade do solo e consequências negativas na produtividade da cultura sucessora”, aponta. “Trabalhando corretamente, essas reclamações não ocorrem”, completa.

Ainda segundo Dimas, outro detalhe importante é a profundidade de semeadura. “Quando mais raso, sem que as sementes fiquem descobertas, melhor. Por isso, um solo bem nivelado é fundamental. O produtor deve ter atenção na pressão das molas do conjunto da semeadora para manter a profundidade adequada, que está entre três e quatro centímetros. Profundidades acima de cinco centímetros dificultam a germinação e o vigor inicial das plântulas”, alerta. Um dos diferenciais das sementes da cultivar BRS 658, segundo o especialista, é o tamanho. “São maiores e de fácil plantabilidade em relação às demais”, reforça. Outra informação importante é a necessidade de atenção à velocidade de plantio – estabelecida em 5 km/h – para melhor distribuição e fluxo das sementes.

Desenvolvimento

O híbrido silageiro BRS 658 foi desenvolvido por uma equipe liderada pelo pesquisador José Avelino Santos Rodrigues, da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG). O que se buscou durante as etapas de melhoramento genético da cultivar foram sete características: alta produtividade de massa; alta proporção de grão; bom padrão de fermentação; boa digestibilidade; resistência a doenças; eficiência nutricional; e resistência ao acamamento. “O BRS 658 veio para o segmento de produção de silagem de qualidade e é resultado de um trabalho de quase 10 anos de pesquisa”, relata.

José Avelino, melhorista da cultura do sorgo há 41 anos, diz que a nova cultivar apresenta boa capacidade de rebrota e possui um sistema radicular muito bem desenvolvido, o que confere resistência ao acamamento. Defensor do cultivo do sorgo, Pio, como é mais conhecido, traz uma carta poderosa na manga em tempos de escassez de chuva: enquanto o milho gasta 500 kg de água para produzir 1 kg de matéria seca, em média, o sorgo produz a mesma quantidade com 400 kg de água.

 

Serviço:

Abaixo, conheça os principais aspectos técnicos da cultivar BRS 658. As informações foram preparadas pelo pesquisador José Avelino Santos Rodrigues.

 

Híbrido BRS 658

Híbrido simples de sorgo forrageiro de porte alto (média de planta: 260-280 cm de altura), precoce (100-110 dias do plantio até a colheita, grãos leitosos/pastosos), resistente ao acamamento. Apresenta alto nível de produção de forragem (média de 50 a 60 toneladas de matéria verde e de 15 a 18 toneladas de matéria seca por hectare), colmo seco, insípido, grãos de cor bronze, moderadamente resistente à ferrugem, à antracnose e à helmintosporiose.

 

Informações técnicas

Ciclo

Florescimento: 75 a 80 dias

Ponto de ensilagem (grãos leitoso/pastoso): 100-110 dias

Altura de plantas: 260 cm

Altura de pedúnculo: 15 cm

Tipo de panícula: semiaberta

Cor do grão: bronze

Cor do endosperma: branco

Tipo do endosperma: semiduro

Tipo de colmo: seco

Peso de 1.000 grãos: 28 gramas

Acamamento: resistente

Rendimento de massa verde: 50 a 60 t/ha

Rendimento de massa seca: 15 a 18 t/ha

Reação a doenças

Antracnose: moderadamente resistente

Ferrugem: moderadamente resistente

Helmintosporiose: moderadamente resistente

Regiões recomendadas: Sul, Centro-Oeste e Sudeste

Densidade de plantas (recomendada): 120 mil plantas/ha

Quantidade de sementes: 6 a 8 kg/ha


Onde encontrar

Riber KWS Sementes (Patos de Minas-MG)

Núcleo de Atendimento ao Cliente (NAC)

Tel.: (34) 3818-2009

Site: www.ribersementes.com.br

E-mail: sac@ribersementes.com.br

 

Texto: Guilherme Viana (MG 06566 JP) 
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
Tel.: (31) 3027-1905
E-mail: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Dagma Silva, arquivo Emater-MG (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais) e NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo.

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa