topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Intensificação de sistemas é receita para produtor conseguir mais renda

A adoção de sistemas integrados de produção vem sendo defendida por pesquisadores como alternativa viável para incrementos de renda nas propriedades rurais. Pegando como exemplo um dos principais problemas da pecuária brasileira – a degradação das pastagens – responsável pela falta de alimento para o gado, principalmente durante o período da seca, e por produtividades baixas por animal e área, a integração entre sistemas permite recuperar a fertilidade do solo, trazendo como benefícios diretos o aumento da capacidade de suporte das pastagens e maior produção de forragem e grãos.

Os resultados são expressivos. De acordo com o pesquisador Miguel Gontijo Neto, da Embrapa Milho e Sorgo, enquanto uma pastagem degradada tem capacidade de suporte de 0,5 Unidade Animal (UA) por hectare, a pastagem recuperada permite a lotação de até três animais na mesma área. Enquanto se produz três arrobas por hectare ao ano na pastagem degradada, consegue-se 15 ou mais arrobas na pastagem corrigida. O abate pode se dar aos 22 meses nessa condição ideal, ao contrário dos quatro anos necessários na pastagem degradada. E a produção de leite pode subir de mil litros por hectare por ano para 10 mil litros no mesmo período.

“O maior patrimônio do pecuarista é o solo. Sua conservação e a construção da fertilidade devem ser metas de todo produtor rural como meio de incrementar a produtividade e a sustentabilidade do sistema de produção. Se ele aumenta a eficiência do seu sistema produtivo, consequentemente terá mais renda”, reforça Gontijo. Antes de tudo é necessário fazer um planejamento detalhado das atividades, buscando sempre a diversificação. “Com isso, você não fica dependente das flutuações de mercado de uma única cultura ou de uma única safra”, completa Emerson Borghi, também pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo. Os pesquisadores são unânimes em um dos alicerces do sistema: a adoção do plantio direto.

“A palhada mantém a umidade no solo. A matéria orgânica pode reter até vinte vezes o seu peso em água, como se fosse uma espécie de ‘esponja’, diminuindo o déficit hídrico para as plantas”, descreve Borghi. A Integração Lavoura-Pecuária e a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta são opções de intensificação de sistemas produtivos. “O produtor sai de uma situação dependente do período chuvoso para trabalhar em mais duas estações do ano, na primavera e no outono”, reforça o pesquisador. “Antes de tudo, é essencial conversar com um técnico e começar bem, já que mudanças de rumo podem desestruturar economicamente o produtor”, completa o pesquisador Ramon Alvarenga.

De acordo com Miguel Gontijo Neto, no caso de sistemas de produção integrada onde haverá a inserção do componente arbóreo, o planejamento para a definição das espécies/cultivares e do arranjo espacial é fundamental. O plantio da espécie florestal deve ser feito de forma escalonada no tempo para diluição dos custos de implantação e redução do risco mercadológico, decorrentes de flutuações de preços do produto no momento da venda da produção. De uma maneira geral, o componente florestal se transforma em uma poupança de longo prazo para o agricultor e este deve buscar agregar valor à madeira produzida.

Abaixo, conheça algumas das vantagens da intensificação dos sistemas produtivos, mencionadas pelo pesquisador Emerson Borghi.

Por que intensificar?

- Manejo intensivo da área, maquinário e mão de obra em virtude da diversificação de culturas ao longo do ano;

- Redução da incidência de plantas daninhas e doenças, facilitando o controle e o uso otimizado de insumos;

- Melhoria das condições químicas, físicas e biológicas do solo, proporcionando maior eficiência no uso de fertilizantes e incrementos de produtividade;

- Diversificação econômica: maior independência das flutuações de mercado relativas a uma única cultura ou a uma única safra;

- Aumento de renda numa mesma área, evitando a abertura de novas;

- Mais independência do mercado para as operações de compra e venda de animais, uma vez que a diversificação permite negociações durante o ano todo;

- Menos dependência das condições climáticas para o sucesso da atividade agrícola: mais rentabilidade mesmo em períodos de restrição hídrica.

 

A viabilização dos sistemas integrados nas propriedades rurais pode ser feita por meio de linhas de financiamento para investimento e custeio via Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) e Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono). Conheça aqui os detalhes. 

 

Texto: Guilherme Viana (MG 06566 JP) 
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
Tel.: (31) 3027-1905
E-mail: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br 

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição:  Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa