topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Pesquisadores divulgam informações sobre a estria-bacteriana-do-milho no Paraná

Pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) em parceria com o corpo técnico da Cooperativa Agroindustrial Consolata (Copacol) lançaram o Informe da Pesquisa No 160 "Estria bacteriana do milho no Paraná". A doença exótica causada pela bactéria Xanthomas vasicola pv. vasculorum já foi constatada em 15 municípios das regiões Oeste, Centro-Oeste e Norte do Paraná em campos de milho segunda safra. Segundo os pesquisadores, a doença foi observada, sob condições naturais de ocorrência, em pelo menos 30 diferentes híbridos comerciais de milho apresentando diferentes níveis de severidade.

Segundo o fitopatologista do IAPAR Adriano Custódio, a estria-bacteriana é uma doença foliar, de ocorrência recente em algumas regiões produtoras de milho ao redor do mundo. "No Brasil, foi detectada, este ano, pela primeira vez, nas lavouras do Paraná. Anteriormente, havia sido identificada em 1949, na África do Sul, e, em 2016, nos Estados Unidos", disse. Além destes países, a Argentina também registrou casos, em 2017, em pelo menos 10 províncias.

"Os sintomas da estria-bacteriana-do-milho podem ser observados em plantas jovens, no estágio vegetativo de 7 folhas. Além disso, as lesões necróticas podem se expandir, cobrindo grande área foliar, e disseminar a bactéria para as folhas inferiores. Em casos mais severos, em híbridos altamente suscetíveis, as lesões podem tomar significativa área foliar", ressaltou Custódio.

As informações sobre a estria-bacteriana-do-milho e seu agente patogênico, a bactéria
X. vasicola pv vasculorum, ainda são relativamente limitadas, por elas ocorrerem em poucas regiões produtoras de milho. "A bactéria pode sobreviver em restos de cultura infectados e, possivelmente, também em plantas daninhas. Embora ainda não haja estudos detalhados da importância da transmissão por sementes, existem evidências de que essa pode ser uma importante via de disseminação. A bactéria pode, também, ser disseminada pelo vento, água de chuva e, provavelmente, por água de irrigação", explicou o pesquisador.

Algumas recomendações são importantes para a prevenção e o controle da doença, baseadas nas medidas gerais de controle de doenças causadas por bactérias do gênero Xanthomonas spp. Entre elas,  adotar medidas fitossanitárias como rotação de cultura; controlar potenciais plantas hospedeiras alternativas, incluindo as plantas daninhas e plantas de milho voluntárias da entressafra; desinfectar os equipamentos agrícolas e garantir a qualidade sanitária da semente.

Este assunto foi tema de uma palestra ministrada pelo fitopatologista Adriano Custódio, na tarde de 13 de setembro, durante o XXXII Congresso Nacional de Milho e Sorgo, realizado em Lavras, Minas Gerais. O congresso foi promovido pela Associação Brasileira de Milho e Sorgo (ABMS), Embrapa Milho e Sorgo e Universidade Federal de Lavras.

A publicação "Estria bacteriana do milho no Paraná" está disponível no site do IAPAR.

Texto: Sandra Brito (MTb 06230/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1223

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Adriano Custódio,  Álvaro Resende, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa