topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Tecnologia favorece qualidade para aplicação de fertilizantes

"Novas Tecnologias para melhorar a qualidade da aplicação de corretivos e fertilizantes" foi o tema ministrado pelo engenheiro agrônomo Leandro Maria Gimenez, professor da Escola Superior de Agricutura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), nesta quarta-feira, 12 de setembro, durante o XXXII Congresso Nacional de Milho e Sorgo, em Lavras, MG.

O objetivo da palestra foi contextualizar a aplicação de fertilizantes, ressaltando quais são os pontos que devem ser colocados em maior atenção, para se ter uma boa qualidade de aplicação.

"Basicamente, hoje, o tipo de equipamento que é utilizado para muitas aplicações é muito sensível à qualidade do fertilizante e às condições do ambiente. Assim, é muito importante que o agricultor que utiliza esses equipamentos coloque atenção nesses aspectos", pontuou Gimenez.

Segundo ele, os distribuidores centrífugos, nome técnico dos equipamentos, lançam o produto a grandes distâncias. "Esses distribuidores têm o que chamamos de faixa de aplicação indeterminada. Para conhecer a faixa de aplicação e saber se está ficando bem-feita, a contento, é necessário fazer mensurações, continuamente, em campo. Principalmente, quando o agricultor se depara com um fertilizante que tem uma granulometria muito dispersa, desde grânulos muito pequenos até grânulos muito grandes. Pois há uma sensibilidade neles, que não permite fazer uma boa aplicação. Ocorre o que a gente chama de segregação. Principalmente, quando os grânulos se misturam. Isto é comum em algumas aplicações, quando o agricultor quer aplicar dois ou mais nutrientes em um produto só", explicou.

Gimenez ressaltou que isso pode ser mensurado apenas em campo. "Após o equipamento arremessar o produto é que poderá ser visto como foi depositado no solo. O agricultor tem que ter uma atenção muito especial nesta fase de ajuste do equipamento", disse o professor.

"É particularmente desafiador, porque esses equipamentos permitem uma boa capacidade operacional. Eles conseguem arremessar o produto em larguras grandes. Então, por isso, são muito utilizados. E a gente sabe que o agricultor, quase sempre, está constrangido, em termos de tempo, e tenta ganhar em capacidade operacional, usando larguras de aplicação muito grandes. E, quando são feitas essas larguras maiores, usualmente, a qualidade de aplicação e de distribuição é prejudicada", relatou.

Para ter boa qualidade de aplicação, normalmente, é necessário, além de ajustar o equipamento, reduzir a distância entre passadas na lavoura. Porém, neste aspecto, o agricultor se depara com outro problema, por causa de outras máquinas que ele utiliza no campo.

"Um pulverizador de 30 ou 36 metros de barra deixa um rastro na lavoura. Nas operações de aplicação em cobertura, quando a gente vai utilizar o distribuidor de fertilizantes, é interessante utilizar o mesmo rastro. Mas, pode ser que, em função das características do fertilizante, o equipamento não consiga arremessar o produto para uma faixa de 36 metros. Nesses casos vão aparecer faixas na lavoura, se ele não der passadas intercaladas mais próximas", explicou Gimenez.

Uma das alternativas para lidar com este fato, sugerida por Gimenez, é começar a pensar em adubação de sistema, para que o agricultor tenha maior flexibilidade no momento de fazer a aplicação e para que esta questão de largura não seja definida pelo rastro de alguma outra máquina.

 "Outra opção é pensar em utilizar fertilizantes que tenham uma granulometria mais bem definida, com grânulos maiores, pois esses fertilizantes conseguem ser arremessados em distâncias maiores. E, também, procurar evitar trabalhar em condições que tenham muito vento. É uma série de fatores que podem ser ressaltados, mas o fundamental é como o produto está sendo depositado na lavoura", disse.

Texto: Sandra Brito (MTb 06230/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1223

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Adriano Custódio,  Álvaro Resende, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa