topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Soja precoce e milho segunda safra compõem único sistema, alerta consultor

Um panorama sobre a produção de milho no Brasil nos últimos 40 anos – desde o monocultivo do cereal aos sistemas integrados de produção – foi apresentado pelo engenheiro agrônomo André Aguirre Ramos, consultor da Aguirre & Ramos Consultoria, durante o XXXII Congresso Nacional de Milho e Sorgo, realizado em setembro em Lavras-MG. “O início do plantio direto, em 1975, e a importância do milho como agregador de rentabilidade ao sistema, é retrato do empreendedorismo do produtor brasileiro. Ninguém testa mais tecnologia que o agricultor”, disse.

Durante o final da década de 1970, com o início do sistema de plantio direto, limitações como o surgimento de novas pragas e doenças e problemas físicos do solo constituíam o cenário vivido por agricultores na adoção da chamada “safrinha” que, em 2012, ultrapassou a safra de verão em área plantada. “Nessa época, o termo ‘safrinha’ era associado a baixas produtividades. As sementes eram provenientes de sobras da safra de verão e os produtores tinham pouca ou nenhuma informação sobre manejo e novas tecnologias”, relata.

“Associado ao alto risco de plantio – época de geada e seca – era necessário complementar renda com a segunda safra. Dessa forma, o plantio de uma cultivar de soja precoce no verão era decisivo para semear o milho safrinha o mais cedo possível, em busca de maior potencial produtivo, aproveitando uma curta janela de chuvas. Nesse ponto, aconteceu o que chamamos de ‘boom’ do agronegócio brasileiro”, lembra o consultor.

Hoje, o produtor de sucesso deve entender a implantação de duas ou mais culturas e não de uma única isolada, além de conhecer os processos de integração, como a Lavoura-Pecuária e a Lavoura-Pecuária-Floresta. Abaixo, conheça algumas tecnologias que marcaram o desenvolvimento da cultura do milho em três períodos: de 1990 a 2005; de 2005 a 2012; e de 2012 até os dias atuais.

Evolução tecnológica na cultura do milho

1990 a 2005

- Melhoria na qualidade de plantio;

- Introdução do híbrido simples, com genética e qualidade de sementes superior;

- Correção do solo e adubação fosfatada;

- Adubação nitrogenada;

- Controle químico de pragas de solo e da lagarta-do-cartucho;

- Aumento da população de plantas para até 65 mil (por hectare).

 

2005 a 2012

- Melhoria da qualidade dos equipamentos e das operações de plantio, adubação, pulverização e colheita;

- Introdução do milho transgênico;

- Tratamento industrial de sementes;

- Uso de fungicidas;

- Redução do espaçamento de plantio (45 cm a 50 cm) e aumento da densidade (até 75 mil plantas por hectare);

- Doses de nitrogênio de até 200 kg/ha ou mais no verão;

- Agricultura de precisão, com operações georreferenciadas.

 

2012 a 2018

- Plantio cada vez mais antecipado do milho segunda safra;

- Utilização de técnicas de MIP (Manejo Integrado de Pragas) nas cultivares transgênicas de milho;

- Aumento da capacidade de armazenamento nas propriedades, aproveitando melhor época de venda;

- Com as “pontes verdes”, surgimento de novas pragas e doenças;

- Aumento de áreas de milho em consórcio com outras gramíneas e leguminosas;

- Entendimento, por parte dos agricultores, que a soja precoce e o milho segunda safra compõem o mesmo sistema;

- Surgimento de novas tecnologias para gerenciamento de informações das lavouras;

- Novos conhecimentos sobre tecnologias utilizadas em países com restrição hídrica e temperaturas elevadas – similares às condições brasileiras da segunda safra – como é o caso da África do Sul.

 

Texto: Guilherme Viana (MTb 06566/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1905


  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Adriano Custódio,  Álvaro Resende, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa