topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Impactos das micotoxinas na saúde humana é tema de workshop

É necessário reduzir o problema que não é apenas relacionado ao âmbito agronômico. É uma questão de saúde pública”. A afirmação, de autoria do pesquisador Rodrigo Veras da Costa, da área de Fitopatologia da Embrapa Milho e Sorgo, traduz a gravidade da contaminação do milho pelas micotoxinas, substâncias químicas tóxicas produzidas por determinados tipos de fungos.

No milho, esses fungos podem proliferar desde a fase em que o cereal está no campo, de acordo com as condições de temperatura, umidade e presença de oxigênio. Esse atraso na colheita, bastante praticado pelos agricultores – com o objetivo de atingir a umidade ideal na lavoura, economizando tempo e dinheiro em etapas seguintes, como levar o cereal ao secador – aumenta ainda mais a ocorrência das micotoxinas.

“A permanência do milho no campo, por quaisquer questões operacionais, acarreta em um maior surgimento de fungos. As fumonisinas e as zearalenonas, micotoxinas provenientes de fungos da fase de pré-colheita, podem provocar o surgimento de determinados tipos de câncer”, enfatiza o pesquisador. Além do grave problema de saúde pública, a presença das micotoxinas provocam perdas diretas na produção e na produtividade das culturas, além de reduzir o valor comercial ou impedir a exportação dos produtos afetados.

No milho, Rodrigo Veras explica que os fatores que causam a contaminação estão relacionados a baixos níveis de resistência de determinadas cultivares, clima e outras condições diversas, além da incidência de insetos. “O milho Bt, nesse sentido, tem importância fundamental quando reduz os danos causados por insetos. Consequentemente, a ausência de danos nas espigas evitam a proliferação de fungos nas espigas e o desenvolvimento ainda maior do problema”, explica.

Controle associa diversas práticas

Em relação às práticas de manejo, o pesquisador elenca cinco pilares para controle do problema: resistência genética das cultivares; práticas culturais adequadas; controle químico e uso de cultivares transgênicas; ajuste na época da colheita e época certa de plantio. Em relação à primeira característica – a resistência genética – Rodrigo Veras explica que ainda não há evidência para resistência completa em híbridos de milho. “A maioria dos híbridos comerciais ainda são suscetíveis, infelizmente”.

Segundo ele, as dificuldades para se chegar a um material com resistência estão relacionadas à amplitude da base genética do germoplasma e à forte influência do ambiente, entre outros fatores. “As alternativas que temos são a criteriosa identificação de híbridos comerciais para resistência aos principais fungos toxigênicos e às suas micotoxinas”, antecipa o pesquisador. E em relação às práticas agrícolas adequadas, Veras reforça a necessidade de semeadura na época ideal, a adoção de uma baixa densidade de plantas associada à adubação nitrogenada feita de maneira correta, além do controle de insetos.

O tema foi debatido durante o XXXII Congresso Nacional de Milho e Sorgo, realizado no mês de setembro em Lavras-MG. O "I Workshop de Micotoxinas: impactos nas cadeias produtivas de milho e sorgo" reuniu mais de 250 participantes, entre eles o engenheiro agrônomo Nildo da Silva Lopes, conselheiro da Aprosoja (Associação Brasileira dos Produtores de Soja). “A incidência de grãos contaminados vem aumentando tanto na cultura da soja quanto na do milho. Precisamos de esforços para controlar a problema”, enfatizou.

 

Texto: Guilherme Viana (MTb 06566/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1905


  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Adriano Custódio,  Álvaro Resende, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa