topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Manejo da lagarta-do-cartucho no sorgo forrageiro pode associar controles biológico e químico

A lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) é uma praga com ampla distribuição geográfica e assume papel de destaque entre as que causam danos na cultura do sorgo. A lagarta pode causar prejuízos de 17 a 38,7% na produção, levando em conta fatores como o ambiente, a cultivar e o estádio de desenvolvimento das plantas.

Os danos podem ser maiores quando a infestação ocorre até a fase de 8 a 10 folhas completamente desenvolvidas. Por isso, o produtor precisa ficar atento para monitorar a praga, desde o início. Na maioria das vezes, as decisões de controlar, ou não, pragas são tomadas de forma empírica e, geralmente, são precipitadas ou tardias. Isto aumenta o custo de produção e promove desequilíbrio no agroecossistema.

Para orientar produtores sobre o manejo da lagarta-do-cartucho no sorgo, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo publicaram o Comunicado Técnico 234 "Associação dos controles biológico e químico para manejo da lagarta-do-cartucho na cultura do sorgo forrageiro".

O monitoramento, por meio das estratégias do Manejo Integrado de Pragas, permite a tomada de decisão para o controle eficiente, ao mostrar o momento mais adequado. Fornece também subsídios para a escolha do produto mais indicado em cada situação. O controle pode ser químico ou biológico.

O pesquisador Ivênio Rubens de Oliveira ressalta que o controle de pragas é algo corriqueiro no dia a dia do produtor rural. "No caso do plantio de sorgo para a produção de silagem, não é diferente. As lagartas, ao consumirem a área foliar, podem interferir diretamente na produção por diminuir a quantidade de massa verde e indiretamente por interferir no desenvolvimento das plantas, o que leva a uma menor produção por área plantada".

"Já em casos de surtos populacionais de lagartas, principalmente a lagarta-do-cartucho, se não houver monitoramento que detecte a praga logo no início, o produtor poderá se encontrar numa situação em que a única opção será o controle com uso de inseticida químico. Escolhendo o produto certo, o produtor poderá alcançar sucesso no controle", diz Oliveira.

Mas a praga, geralmente, permanece na área e o produtor precisa continuar atento. "Para isso, é preciso manter o monitoramento, e, a partir de então, se ocorrer novo ataque, será possível utilizar um produto mais ajustado a um sistema de produção sustentável, de preferência, um biológico. Assim, o produtor poderá terminar a sua safra com responsabilidade social e ambiental, além de assegurar bom retorno econômico", orienta.

Segundo Oliveira, para fazer a interação de inseticidas químicos e o controle biológico são necessárias duas etapas prioritárias. "A primeira está na escolha do produto químico que deverá ser seletivo ao maior número de inimigos naturais quanto possível. Isto é, um produto que seja específico para matar apenas a praga e preservar os outros organismos que não sejam alvo. Desta forma, serão preservados aqueles agentes de controle biológico que podem estar presentes na área. Isto será importantíssimo para que a praga não venha ocorrer em níveis capazes de causar prejuízo". 

Já a segunda etapa está na observação da presença da praga na área de plantio, ou seja, o monitoramento. "Neste caso, a primeira opção de controle a ser adotada é o uso da vespinha parasitoide de ovos Trichogramma, porque este inimigo natural vai controlar a lagarta em sua fase que ainda não causou prejuízo algum, o ovo. Outra opção é o uso de inseticidas microbiológicos à base de baculovírus ou Bacillus thuringiensis (Bt), que controlarão as lagartas, desde que estas estejam nos primeiros instares, com cerca de 1 cm de comprimento, não permitindo que elas se desenvolvam ao ponto de causar prejuízo", explica Oliveira.

O Comunicado Técnico 234 "Associação dos controles biológico e químico para manejo da lagarta-do-cartucho na cultura do sorgo forrageiro" está disponível para download, na biblioteca da Embrapa. Clique aqui.


Texto: Sandra Brito (MTb 06230/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1223

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Cícero Beserra de Menezes, Ivênio Rubens de Oliveira, Paulo Ferreira e Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa