topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Serviços ambientais favorecem a gestão de bacias hidrográficas

Os serviços ambientais são realizados diariamente por diversos agentes da natureza. Contudo, o conceito desses serviços, chamados também de ecossistêmicos, precisa ser mais difundido.

Para ampliar este conhecimento e capacitar estudantes, extensionistas e profissionais de diversos setores da sociedade, foi realizado o I seminário "Serviços Ambientais: Gestão de Bacias Hidrográficas". O evento compôs a programação da 12ª Semana de Integração Tecnológica e aconteceu em 23 de maio, na Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas-MG.

A pesquisadora Mônica Matoso Campanha, da Embrapa Milho e Sorgo, ressalta que todos os benefícios que as pessoas obtêm da natureza, direta ou indiretamente, são considerados serviços ambientais. "A natureza trabalha, presta serviços para a manutenção da vida e de seus processos, como a produção de oxigênio pela fotossíntese. São também serviços ambientais a manutenção da qualidade e da quantidade de água, o fornecimento de madeira, fibras e alimentos, a mitigação da erosão e de inundações, a polinização, a beleza cênica da paisagem, espaços para atividades e recreação", enumerou Campanha.

Os serviços ambientais também podem ser considerados como benefícios ambientais, resultantes de intervenções intencionais da sociedade na dinâmica dos ecossistemas, como os serviços que resultam do manejo conservacionista do solo, da água e da restauração florestal. Estas intervenções podem favorecer a manutenção, a recuperação ou a melhoria dos serviços ecossistêmicos.

No seminário, Campanha ressaltou que as atividades humanas, que envolvem a produção agropecuária, precisam ser sustentáveis. Para isso, é preciso fazer uso de práticas conservacionistas que preservem ou aumentem a oferta destes serviços ambientais.

"A agropecuária abrange as atividades agrícolas, pecuária e florestal. É responsável pelo fornecimento de muitos produtos para a sociedade, principalmente alimento, fibras e combustível, e é realizada para suprir, principalmente, as demandas e necessidades dos centros urbanos. Entretanto, pelo manejo adotado nos sistemas produtivos, é possível manter o fornecimento de outros serviços ambientais, como produção de água em quantidade e qualidade, promover o controle biológico e a polinização, entre outros", explicou.

Este estudo contribui para melhorar a discussão da relação do homem com o meio ambiente, pois reconhece a contribuição da natureza e os seus serviços para o bem-estar humano. "E identifica as interdependências entre os atores envolvidos, suas atividades e seus impactos no meio ambiente. Algumas práticas que favorecem a conservação dos serviços ambientais são manejo adequado do solo e da água, manutenção da reserva legal e Áreas de Preservação Permanente. Estas práticas favorecem a ampliação do fornecimento dos serviços ambientais e contribuem para o manejo da paisagem em bacias hidrográficas", relatou a pesquisadora.

Gestão integrada da água

Os serviços ecossistêmicos hídricos ou hidrológicos são definidos como os benefícios oferecidos pelos ecossistemas de água doce e terrestres. Estes serviços incluem o abastecimento de água doce, a regulação da qualidade da água, a mitigação das cheias, o controle da erosão e os serviços culturais relacionados à água. "São os benefícios que o ser humano obtém dos ecossistemas, terrestres e aquáticos", pontuou a pesquisadora Rachel Bardy Prado, da Embrapa Solos.

 "A gestão integrada da água é um processo que promove o desenvolvimento e a gestão coordenados da água, das terras e dos recursos relacionados, de forma a maximizar o bem-estar social e econômico, resultante de modo equitativo e sem comprometer a sustentabilidade dos ecossistemas vitais", explicou Prado.

Cartilha Serviços Ambientais e a Agropecuária

Durante o evento, foi lançada a cartilha "Serviços Ambientais e a Agropecuária". A publicação está disponível para download na Biblioteca da Embrapa. Clique aqui.

Os participantes tiveram a oportunidade de conhecer como é feita a gestão ambiental na Embrapa Milho e Sorgo e receberam informações sobre a criação de unidade de conservação, Áreas de Proteção Ambiental, que são ferramentas de gestão de bacias hidrográficas. A programação contou, também, com a apresentação das atividades realizadas pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas e pelo projeto de agroecologia da Empresa.


Texto: Sandra Brito (MG 06230 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1223

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Mônica Matoso Campanha, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo, Assessoria de Comunicação Social da Epamig

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa