topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019
   Ano 14 - Edição 119 - Agosto/Setembro de 2020 
   Ano 14 - Edição 118 - Junho/Julho de 2020 
   Ano 14 - Edição 117 - Abril/Maio de 2020 
   Ano 14 - Edição 116 - Fevereiro/Março de 2020 
   Ano 14 - Edição 115 - Janeiro/Fevereiro de 2020 
   Ano 13 - Edição 114 - Dezembro de 2019 
   Ano 13 - Edição 113 - Novembro de 2019 
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Sustentabilidade e conforto animal são debatidos em seminário sobre ILPF

Qual forrageira escolher para a composição do sistema ILPF? A dúvida, comum a um grande número de produtores, foi tema de palestra apresentada pelo pesquisador José Alexandre Agiova, da Embrapa Gado de Corte (Campo Grande-MS), durante o seminário “O sistema ILPF com foco no componente florestal e no meio ambiente”, durante a 12ª Semana de Integração Tecnológica, realizada pela Embrapa Milho e Sorgo.

Segundo ele, os critérios de escolha da forrageira devem levar em consideração aspectos como aptidão ao solo e ao clima; sistema de produção adotado e a finalidade da pastagem levando em consideração a exigência dos animais e ocorrência de pragas, doenças e plantas daninhas; compatibilidade da forrageira com o sistema de produção; infraestrutura da propriedade e mão de obra disponível; e, por fim, manejo utilizado e a adubação que será ofertada.

Agiova é enfático ao afirmar que a distribuição de chuvas determina a escolha da cultivar, lembrando as vantagens que os sistemas integrados oferecem, como a menor incidência de plantas invasoras pelo fato de o solo estar coberto. “Os maiores benefícios desses sistemas são a produção de forragem verde para o período de seca; o aumento da lucratividade geral da fazenda; mais sustentabilidade e a diminuição do risco associado à atividade agropecuária”, resume.

Conforto animal e Carne Carbono Neutro

O conforto animal proporcionado pelo sombreamento das árvores no sistema ILPF foi debatido pelo pesquisador Alexandre Rossetto Garcia, da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos-SP). “Quando o animal entra em uma situação de estresse térmico, aumenta em seu organismo a descarga do hormônio cortisol. Dessa forma, aumenta também os mecanismos de troca de calor, seja por ofegação ou sudorese, o que aumenta a perda de água. Como consequência, esse animal terá que saciar sua sede, provocando nele um aumento de saciedade e redução de ganho de peso”, explica Rossetto.

De acordo com o pesquisador, os impactos do ambiente na produção de carne e leite e o bem-estar animal têm despertado recente interesse tanto no setor produtivo quanto nos consumidores. “As perdas produtivas na indústria leiteira provocadas pelo estresse térmico são estimadas entre US$ 900 e US$ 1.500 milhões anuais”, mostra. Ainda segundo ele o deslocamento da produção para as regiões Centro-Oeste e Norte do País tem demandado tecnologias mais eficientes para facilitar a termorregulação de animais expostos a altas temperaturas.

Outros efeitos relacionados às alterações comportamentais ligadas ao estresse térmico, além da diminuição da ingestão de alimentos e do aumento no consumo de água, são o crescimento no tempo de repouso e a busca de sombra. Entre as estratégias para reduzir esse tipo de estresse, o sombreamento proporcionado pelos sistemas silvipastoris, como o ILPF, reduzem em até 3 °C a temperatura, “ofertando maior conforto animal e maiores índices produtivos”. “O sombreamento permite elevar as taxas produtivas e reprodutivas dos rebanhos”, conclui o pesquisador.

Por fim, conceitos como a Carne Carbono Neutro (CCN), desenvolvido pela Embrapa em parceria com outras instituições, foram abordados pelo pesquisador Rodrigo Gomes, da Embrapa Gado de Corte (Campo Grande-MS). Esse conceito visa atestar a carne bovina produzida em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta), por meio de uso de protocolos específicos que possibilitam o processo de certificação. Seu principal objetivo é garantir que os animais que deram origem ao produto tiveram as emissões de metano compensadas durante o processo de produção pelo crescimento de árvores no sistema. Além disso, garantir, pela presença de sombra, que os animais estavam em ambiente termicamente confortável, com alto grau de bem-estar, preceitos que fortalecem a marca e que estão intimamente ligados ao marco referencial da ILPF.

 

Texto: Guilherme Viana (MTb 06566/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1905

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Mônica Matoso Campanha, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo, Assessoria de Comunicação Social da Epamig

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa