topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019 
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Senar Minas apresenta resultados do ABC Cerrado no Estado

A capacitação de produtores rurais nas principais tecnologias de baixa emissão de carbono, a formação de instrutores e técnicos de campo e a assistência técnica e gerencial no campo são alguns dos objetivos do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - Administração Regional de Minas Gerais, Senar Minas, no Projeto ABC Cerrado.  Em Minas Gerais, as ações abrangem todas as regiões do Estado: Centro, Norte, Noroeste, incluindo o Triângulo Mineiro.

O coordenador do projeto ABC Cerrado em Minas Gerais, Caio Sérgio Oliveira, apresentou as principais ações e um balanço parcial do projeto em 2019, durante sua palestra realizada na 12ª Semana de Integração Tecnológica, na Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas-MG. Ele abordou as diretrizes e tecnologias adotadas pelo programa e sua importância para uma produção sustentável e lucrativa. 

"O projeto veio para atuar especificamente na região do Cerrado do Estado de Minas e nas de outros sete estados. No Bioma Cerrado, nós trabalhamos a cadeia da pecuária bovina de corte e de leite. Prestamos assistência técnica e gerencial, ampliando a nossa atuação no estado, também para as cadeias produtivas de café, fruta, olericultura, piscicultura, apicultura, avicultura. E a partir do segundo semestre atuaremos na assistência técnica e gerencial na agroindústria do queijo artesanal e de defumados", enumerou Oliveira.

As principais ações do projeto, em 2019, foram as capacitações de produtores, a assistência técnica e gerencial a avaliação de impacto. Esta avaliação consiste em uma ação do banco mundial com o Senar Nacional, que vai in loco mensurar a evolução, o ganho e o que de fato o projeto ABC Cerrado acrescentou à vida do produtor rural. É como se fosse uma auditoria na propriedade. A capacitação dos técnicos do Senar é feita pela Embrapa, com base nas tecnologias do Plano ABC.

Outra ação destacada pelo coordenador é baseada na Metodologia ISA (Indicadores de Sustentabilidade em Agrossistemas). "É uma ferramenta desenvolvida na Epamig, pelo professor José Mario, um grande parceiro do Senar e do Projeto ABC Cerrado. Esta ferramenta possibilita mensurar o desenvolvimento sustentável das propriedades, um indicador de sustentabilidade do agroecossistema. Temos praticamente todas as propriedades que receberam assistência técnica mapeadas com relação a este indicador. Conseguimos mapear 220 propriedades, do total das 287 onde prestamos assistência técnica em Minas Gerais. Foram capacitados 2.640 produtores", enfatizou o coordenador.

Os resultados do ABC Cerrado em Minas foram mensurados em curto, médio e longo prazo. As ações foram iniciadas em 2016.  "O que a apresentamos aqui na SIT foram os resultados colhidos neste longo prazo de três anos, onde as principais ações do projeto foram capacitações profissionais para o produtor rural, que é o nosso foco primordial. Este projeto é destinado para o pequeno e médio produtor rural. Mas o Senar Minas também recebeu alguns técnicos e profissionais tanto da área de produção como da área de extensão, que participaram das nossas capacitações", disse Oliveira.

As tecnologias previstas no projeto são quatro: Recuperação de Pastagem Degradada (RPD), Sistema de Plantio Direto (SPD), Florestas Plantadas (FP) e o Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Oliveira destacou que, dentre estas, a que mais foi demandada pelo produtor foi a RPD.

"Não adianta falar das outras três tecnologias, se a base do produtor não estiver ajustada, acertada. E a base que a gente considera é a pastagem, é o solo da propriedade. Observamos que o índice de degradação de pastagem é muito grande em Minas Gerais. No Estado, 45% das pastagens apresenta um estágio de degradação severo. Então, primeiro, tomamos por base, a estratégia de corrigir este problema de degradação. Levar o conhecimento para o produtor a respeito da importância da reforma da pastagem, do manejo da pastagem, das práticas de conservação de água e solo, para que depois ele continue neste caminho das tecnologias, no caminho do conhecimento", explicou.

"Criamos o caminho da sabedoria, dentro do ABC Cerrado. Passo a passo, o produtor vai adquirindo os conhecimentos necessários e integrando as tecnologias para chegar ao resultado almejado: uma atividade eficiente, lucrativa e rentável. Esse é o grande desejo de todo produtor, para tirar o seu sustento", ressaltou Oliveira.

ABC Cerrado

Numa ação conjunta com o Ministério da Agricultura e a Embrapa, o Senar desenvolve o Projeto ABC Cerrado. A iniciativa, que conta com apoio do Programa de Investimentos em Florestas (FIP, sigla em inglês), do Banco Mundial, dissemina práticas de agricultura de baixa emissão de carbono e sensibiliza produtor e produtora rural para que invistam na sua propriedade para obter retorno econômico, preservando o meio ambiente.

O Senar é o responsável por disseminar para os produtores rurais quatro tecnologias ABC de incentivo à produção agrícola sustentável, por meio de cursos de capacitação e assistência técnica gerencial, que trazem como principais benefícios: o aumento na oferta de alimentos, a diversificação da geração de renda no campo para homens e mulheres e a preservação do meio ambiente. As quatro tecnologias são: Recuperação de Pastagens Degradadas, Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, Florestas Plantadas e Sistema Plantio Direto.

Metodologia ISA

A metodologia ISA (Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas) foi desenvolvida pela Epamig, em parceria com Emater-MG, IEF, Embrapa, UFMG e Fundação João Pinheiro. A metodologia ISA possibilita uma abordagem mais ampla da propriedade, incluindo os fatores de influência e interdependência que caracterizam o ambiente onde ela está inserida, destacando os sistemas de produção, gestão, habitats naturais, estradas de acesso, ecossistemas aquáticos, diversificação da paisagem agrícola, entre outros. Nesse contexto, cada propriedade é compreendida pelos produtores e extensionistas rurais em sua totalidade, a partir do seu universo particular, destacando o produtor como gestor de todo o conjunto, caracterizado por um agroecossistema. (Fonte: Epamig)

Texto: Sandra Brito (MG 06230 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1223

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Mônica Matoso Campanha, Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo, Assessoria de Comunicação Social da Epamig

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa