topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
   Ano 12 - Edição 99 - Junho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Variedade de milho é opção de baixo investimento com boa relação custo-benefício

Atualmente, a semente é um dos principais componentes do custo de produção de milho. Os gastos com esse insumo podem chegar a cerca de 20% do valor das despesas de custeio da lavoura. Mas também é possível obter resultados satisfatórios com investimentos menores em sementes.

Para plantio no fim da janela da segunda safra, produtores têm buscado materiais de custo mais baixo. O risco de perder investimentos faz crescer a procura por sementes mais baratas. Assim, aumenta o interesse por materiais convencionais (não transgênicos) e mesmo por variedades ao invés de híbridos.

Nesse cenário, o milho BRS 4103, desenvolvido pela Embrapa, tem sido a boa opção de alguns produtores. "A variedade é especialmente indicada para agricultura de baixo investimento. Apresenta excelente uniformidade, com um bom potencial de produção, ciclo precoce, baixa estatura de planta e espiga, baixo índice de plantas acamadas e quebradas, com espigas bem empalhadas e sadias", explica o pesquisador Paulo Evaristo, da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG).

Em razão da sua ampla adaptação, a variedade foi registrada no Ministério da Agricultura para todas as regiões do País. No Mato Grosso, o produtor Marcos Aurélio Ioris Júnior ficou satisfeito com o material. Ele plantou o milho BRS 4103 no fechamento da safrinha em uma área de 50 hectares. "Não foi em nossa melhor área e foi no final da janela de plantio. Considero o material interessante, porque o custo é baixo e pendoa rápido", conta o agricultor de Nova Mutum-MT, que colheu 94 sacas por hectare. "O custo-benefício é bom", avalia.

Em Primavera do Leste-MT, o agricultor Moacir Mattana plantou o BRS 4103 pelo segundo ano consecutivo. No plantio escalonado, a variedade entra por último, no fechamento da safrinha. Este ano, foi plantada numa área de 30 hectares, no começo do mês de março. "Por causa do risco, eu coloco no final do plantio, por ter custo mais barato. E, como é um material precoce, pendoa mais cedo, tem como plantar depois", explica o produtor. Ele obteve uma média de 100 sacas de milho por hectare. 

"Compensa pelo custo", avalia Moacir.  "Se a chuva atrasa a época do plantio, para correr menos risco, você usa mais dele. É um milho sadio, com grão bem formado. Ano que vem, pretendo dobrar a área, fazer 60 hectares. A precocidade e o custo são as principais vantagens. Para produtor pequeno, é uma mão na roda esse milho. Fora a palhada que forma. Sobra muita palhada para plantar em cima", explica o agricultor, que cultiva soja em sistema de plantio direto na safra de verão.

Outra vantagem percebida por Moacir é a facilidade de controle de plantas do BRS 4103 com herbicida para o manejo da cultura seguinte. "Como a variedade não é resistente, o glifosato controla".

Dez empresas nacionais, localizadas em cinco estados (Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo), estão produzindo e comercializando sementes dessa variedade. "Essa cultivar está beneficiando empresas de sementes familiares e, principalmente, agricultores com poucos recursos para aquisição de sementes e outros insumos, em lavouras conduzidas em épocas e ambientes historicamente desfavoráveis e de alto risco para expressão de alta produtividade e rentabilidade", avalia o pesquisador Paulo Evaristo.

No último ano, a área licenciada para produção de sementes do BRS 4103 foi de 608 hectares. Dessa forma, estima-se que as dez empresas produziram sementes suficientes para atender o plantio de cerca de 120 mil hectares na safra 2018/2019 e safrinha 2019.

Em Minas, o empresário José Sergio Evangelista, da empresa Jóia Sementes, conta que os agricultores têm gostado muito do BRS 4103. "É um material de coloração boa, com resistência a acamamento e boa produtividade". A empresa atende as regiões Norte e Noroeste do estado com vendas dessa variedade a pequenos produtores para plantio na safra de verão.

Texto: Marina Torres (MTb 08577/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Telefone: (31) 3027-1272
E-mail: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Álvaro Vilela de Resende, Eduardo Vieira Guimarães. Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa