topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 13 - Edição 112 - Setembro/Outubro de 2019
   Ano 13 - Edição 111 - Agosto de 2019 
   Ano 13 - Edição 110 - Julho de 2019 
   Ano 13 - Edição 109 - Junho de 2019 
   Ano 13 - Edição 108 - Maio de 2019 
   Ano 13 - Edição 107 - Abril de 2019 
   Ano 13 - Edição 106 - Março de 2019 
   Ano 13 - Edição 105 - Janeiro/Fevereiro de 2019 
   Ano 12 - Edição 104 - Nov. e Dezembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 103 - Outubro de 2018 
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
ILP e terminação em confinamento garantem eficiência na recria de bovinos de corte

Maior investimento na fase de recria e um planejamento adequado na terminação dos animais por meio do sistema de confinamento. Essas são as principais orientações de dois especialistas que acompanharam as fases de recria e terminação de bovinos no sistema de Integração Lavoura-Pecuária implantado na Embrapa Milho e Sorgo no período agrícola de 2018/2019.

Durante dia de campo realizado na primeira semana de outubro, os resultados foram apresentados pelos zootecnistasLeandro Sâmia, UFMGLeandro Sâmia e Bárbara Rodrigues. “Por se tratar de uma fase que apresenta a maior duração na pecuária nacional, uma redução no tempo da recria pode potencializar o ganho de peso, diminuir a idade do abate e melhorar a qualidade da carne. Consequentemente o produtor terá maior giro de capital e mais eficiência no uso da terra”, descreve Leandro, que é professor de Veterinária na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Segundo ele, deve-se buscar sempre animais de maior valor comercial, como bovinos originários de cruzamento industrial entre as raças ½ Nelore e ½ Aberdeen Angus. “Os animais cruzados atingiram um ganho médio diário de 2 kg em 105 dias de confinamento ou sete arrobas nesse mesmo período. Já os animais Nelore alcançaram 1,5 kg por dia ou 5,3 arrobas”, mostra a zootecnista Bárbara Rodrigues, doutoranda da UFMG.

Na visão dos especialistas, o produtor deve levar em consideração que os animais de cruzamento industrial são mais exigentes em relação aos da raça Nelore quanto à alimentação. Em regime de confinamento, a dieta é composta por 80% de concentrado (composto por milho, soja e núcleo, sendo este último uma mistura de fontes proteicas, minerais, vitaminas e aditivos) e 20% de volumoso (silagem de sorgo). “Nesse sistema intensivo, os animais cruzados se sobressaem”, destaca Bárbara Rodrigues.

Ainda segundo ela, o confinamento é uma boa estratégia para o produtor que precisa “terminar” os animais e liberarBárbara Rodriguesaspastagens novamente para a fase de recria. “Deve ser bem planejado, levando em consideração seus custos antes da tomada de decisão, para que o investimento seja satisfatório”, pondera. O projeto conduzido na Embrapa Milho e Sorgo tem o objetivo de avaliar o desempenho produtivo e econômico de bovinos zebuínos e cruzados recriados em pastagem em sistema de Integração Lavoura-Pecuária e terminados em confinamento. 

Entenda o processo

Os bezerros de sete meses de idade – raças Nelore e ½ Nelore e ½ Aberdeen Angus – entram no sistema no período da seca (junho/julho) para pastejarem em quatro glebas, que totalizam 22 hectares, onde é feita a rotação de cultivos na primavera-verão, com a utilização do sistema de plantio direto. A cada ano, são feitos os seguintes plantios: soja com sobressemeio de capim braquiária ruziziensis, milho consorciado com capim braquiária brizanta e sorgo forrageiro com capim mombaça. O capim mombaça constitui a pastagem de primavera-verão destinada aos animais na recria, sendo subdividida em cinco piquetes de 1,1 hectare cada, utilizados em sistema de pastejo rotacionado.

Os bezerros ficam de julho até o início do período das águas nas glebas de braquiária e depois vão para os piquetes rotacionados de capim mombaça. Esse sistema suporta os animais até maio ou junho do ano seguinte, quando entram para o confinamento. A soja, o milho e o sorgo são usados como alimentos na fase de terminação, tanto como silagem quanto como grãos na elaboração de concentrado. O experimento já vem sendo conduzido há 14 anos por uma equipe coordenada pelo pesquisador Ramon Costa Alvarenga, da Embrapa Milho e Sorgo. 

Pastagens em sistema de integração

URTO plantio das culturas em cada gleba é feito de forma rotacionada. Assim, na gleba onde foi plantada soja no ano anterior, será feita a lavoura de milho-capim. Onde foi milho com braquiária será sorgo com capim. Onde foi sorgo-mombaça será pastagem; e onde foi pastagem será soja.

O sistema de rotação oferece vantagens tanto para a agricultura quanto para a pecuária. No caso das lavouras, a rotação e a sucessão com capim melhora a estrutura do solo, promove maior aproveitamento de nutrientes, inclusive a reciclagem, diminui a pressão de pragas e aumenta a matéria orgânica, a disponibilidade de água no terreno e a quantidade de palhada, indispensável ao sistema de plantio direto.

Para a pecuária, os nutrientes residuais das fertilizações das lavouras possibilitam a produção de forragem, especialmente no período da seca, a recuperação da produtividade da pastagem e a economia na implantação das áreas de pastejo.

A ILP intensifica o uso da propriedade e reduz os custos de produção, além de aumentar a estabilidade de renda do produtor. “Mesmo com as condições de distribuição irregular de chuva na região, temos conseguido produções satisfatórias em sistema de sequeiro", mostra o pesquisador Ramon Alvarenga, reforçando as vantagens do plantio direto e da integração. 

Tendência no mercado brasileiro

Confinamento

O sistema intensivo de engorda atende ao mercado de carnes premium, em que é oferecido um animal com bom acabamento de carcaça e abatido precocemente. Se atendidas essas exigências, o produtor consegue um preço melhor pelo produto. A iniciativa é da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), sendo que protocolos de rastreabilidade com menção de raças bovinas nos rótulos conferem uma certificação ainda maior à carne, pois são informadas as garantias que serão repassadas ao serviço de inspeção.

As carnes premium são tendência no mercado brasileiro. Para abastecer esse setor, de acordo com o médico veterinário Fabiano Alvim, da empresa De Heus Animal Nutrition, que atua na promoção da cadeia produtiva da pecuária, é necessário investir em nutrição e genética, além de se buscar um manejo eficiente de pastagens, com técnicas de semiconfinamento ou confinamento. “Por melhor que seja o manejo da pastagem, o pecuarista não consegue abater esse boi com menos de três anos. É aí que entram essas duas ferramentas, de semiconfinamento ou confinamento. Dessa forma, conseguimos antecipar o abate dos animais, com maior peso, oferecer um rendimento de carcaça bem acima dos 50% e aumentar a eficiência do sistema”, explica o veterinário.

 

Texto e fotos: Guilherme Viana (MTb 06566/MG)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo
Contato: milho-e-sorgo.imprensa@embrapa.br
Telefone: (31) 3027-1905

 

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): Aurélio Martins Favarin

Jornalistas responsáveis: Guilherme Viana (MG 06566 JP), José Heitor Vasconcellos (RJ 12914 JP), Marina Torres (MG 08577 JP) e Sandra Brito (MG 06230 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Derli Prudente Santana (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Administração)

 
logo da Embrapa