topo
Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)   |
   Ano 06 - Edição 39 - Setembro de 2012
   Ano 12 - Edição 102 - Setembro de 2018 
   Ano 12 - Edição 101 - Agosto de 2018 
   Ano 12 - Edição 100 - Julho de 2018 
   Ano 12 - Edição 99 - Junho de 2018 
   Ano 12 - Edição 98 - Maio de 2018 - Especial 
   Ano 12 - Edição 97 - Maio de 2018 
   Ano 12 - Edição 96 - Abril de 2018 - Especial 
   Ano 12 - Edição 95 - Março de 2018 
   Ano 12 - Edição 94 - Fevereiro de 2018 
   Ano 12 - Edição 93 - Janeiro de 2018 
   Ano 11 - Edição 92 - Dezembro de 2017 
   Ano 11 - Edição 91 - Novembro de 2017 
 
 
seta
  NOTÍCIAS logo Embrapa
  imagem da notícia  
Potencial do milho precisa virar realidade no Brasil

A cultura do milho tem se destacado a cada novo ano, atingindo recordes de produção e de produtividade. Já nem existe mais a chamada "safrinha", que mostra alguns números até melhores do que a safra normal. O Brasil ocupa também posição cada vez mais importante no mercado internacional deste grão. São ótimas notícias. Mas ainda há potencial para mais crescimento e para números ainda mais expressivos. É nisso que apostam diferentes instituições que, unidas, estão colocando em prática o Programa de Desenvolvimento da Cadeia do Milho no Brasil.

Coordenado pela Abramilho (Associação Brasileira dos Produtores de Milho) e pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o programa tem o apoio da Fundação Dom Cabral e da Embrapa. Entre os principais objetivos, está discutir o potencial da cultura, mostrando gargalos, oportunidades e desafios. E, nesse sentido, a participação dos produtores rurais é fundamental, pois são eles que sabem, no dia-a-dia, o que funciona e o que pode ser melhorado em sua atividade no campo. Já foram realizadas reuniões em Porto Alegre-RS, São Paulo-SP e Belo Horizonte-MG e estão sendo programadas outras em cidades como Cuiabá-MT, Brasília-DF e Recife-PE.

De acordo com José Carlos Cruz, pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo na área de fitotecnia, o milho é plantado por mais de dois milhões de produtores rurais brasileiros "com grandes variações nos níveis tecnológicos e nas condições de clima e solo, portanto com grandes variações na produtividade". Em números, as médias de produtividade cresceram, comparando-se os períodos de 1999/2002 e 2009/2012, de 3.934 para 5.923 kg/ha na safra normal do Centro-Sul do Brasil, de 2.223 para 4.500 kg/ha na segunda safra (a antiga "safrinha") e de 1.057 para 1.889 kg/ha na safra normal do Nordeste.

"Na realidade, gostaríamos que este aumento de produtividade fosse mais rápido", afirma o pesquisador, lembrando que é preciso levar em conta as peculiaridades de cada uma dessas três regiões. Enquanto o Centro-Sul tem maior potencial de produção, uma área plantada em torno de 5,2 milhões de hectares e apresenta estados com rendimentos médios de 8.000 kg/ha, o Nordeste e o Norte do país sofrem com restrições climáticas e tecnológicas e têm milho em cerca de três milhões de hectares. Por sua vez, a atual segunda safra teve cerca de sete milhões de hectares e "é uma cultura sujeita a grandes riscos climáticos e com menor potencial de produção", segundo José Carlos.

Ainda a melhorar - Mesmo com os inegáveis avanços, a cultura do milho precisa aprimorar sua cadeia produtiva, que, na visão do pesquisador da área de economia agrícola da Embrapa Milho e Sorgo Rubens Augusto de Miranda, ainda é relativamente desorganizada. "Os produtores e os seus principais consumidores (indústria de carnes) vivem em permanente conflito. O crescimento da produção do milho no Brasil demanda uma melhor organização. Os elos da cadeia precisam acordar algum mecanismo para que todos ganhem", explica.

E é justamente na tentativa de organizar melhor a cadeia do milho que entra o programa encabeçado pela Abramilho e pelo Mapa. Nas discussões, têm sido identificadas as demandas reais do produtor, por exemplo em relação à logística de escoamento do milho e ao seguro agrícola. Ao final da rodada de reuniões, que vai passar por importantes regiões produtoras do país, a ideia é que seja construído um plano a ser apresentado ao Governo Federal para subsididar novas políticas públicas para o milho.

Segundo José Carlos, "existem tecnologias confiáveis em todas as etapas do ciclo da cultura. É lógico que  sempre aparecem problemas novos. Por exemplo, o uso do milho Bt cria oportunidade para o aparecimento de uma série de pragas secundárias que, antes, eram controladas com a aplicação de inseticidas para o controle das lagartas. Também é necessário aprimorar certas tecnologias, como o controle químico de doenças". Ou seja, aprimorando-se as tecnologias de produção e de manejo da cultura do milho, como tem sido feito por instituições como a Embrapa e universidades, e com outros elos da cadeia acompanhando essa evolução, o negócio milho tem tudo para colocar o Brasil como destaque ainda maior em âmbito mundial.

 

Texto: Clenio Araujo (MTb / MG 06279 JP)
Jornalista / Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)
www.cnpms.embrapa.br
NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)
Tel.: (31) 3027-1223
Cel.: (31) 9974-3282
E-mail: clenio@cnpms.embrapa.br

  COMENTÁRIOS  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
Paulo Jos? Lima Rezende | 11/09/2012 - 20:03
Boa Noite á todos pesquisadores de todas as instituições pesquisadora, sou téc. Ágricola formado no IF.sul de minas Muzambinho... Faz pouco tempo q estou trabalhando na área de milho pela empreza DowAgroSciences, e com todas essas pesquisas e evoluções no Brasil que me enche de orgulho cada dia q passa, estão de parabéns e com certesa entrei nessa área e quero me esforça ao maximo, e se possivel abrangindo conhecimentos téc. de pesquisa explicita.
Guilherme Ferreira Viana | 12/09/2012 - 14:07
Prezado Sr. Paulo José,

muito obrigado por entrar em contato conosco e por seus comentários. Estamos sempre à disposição.

Atenciosamente,

Guilherme Viana / Jornalista Embrapa Milho e Sorgo
  ESPAÇO DO LEITOR
 
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico Grão em Grão. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: cnpms.nco@embrapa.br ou
por telefone: (31) 3027-1272

  CADASTRO
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Acesse também o nosso jornal no endereço http://grao.cnpms.embrapa.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para cnpms.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  EXPEDIENTE
 

O jornal eletrônico Grão em Grão faz parte do Programa de Comunicação Organizacional da Embrapa Milho e Sorgo.

Supervisor do NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional): José Heitor Vasconcellos

Jornalistas responsáveis: Clenio Araujo (MG 6279 JP), Guilherme Viana (MG 06566 JP) e Marina Torres (MG 08577 JP)

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Edição: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional)

Revisão: Antonio Claudio da Silva Barros

Fotos desta edição: Arquivo NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo

Chefia da Embrapa Milho e Sorgo: Antônio Álvaro Corsetti Purcino (chefe-geral), Sidney Netto Parentoni (chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento), Jason de Oliveira Duarte (chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia) e Maria José Vilaça de Vasconcelos (chefe-adjunta de Administração)

 
logo da Embrapa